Ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, cancela protesto planejado, mas exige votação


O desafiador ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, cancelou uma manifestação planejada e sem prazo em Islamabad – amenizando temporariamente os temores de um conflito civil prolongado depois que ele liderou milhares em uma marcha em direção ao Parlamento exigindo a renúncia do governo.

Os seguidores de Khan começaram a convergir para a capital na quarta-feira, com cerca de 10 mil chegando ao centro da cidade por volta da meia-noite.

Khan entrou como parte de um grande comboio de carros, ônibus e caminhões, com manifestantes agitando bandeiras e protestando durante a noite.

Alguns entraram em confronto com a polícia fora do Parlamento.

Khan deu ao primeiro-ministro Shahbaz Sharif – que o substituiu em abril – menos de uma semana para convocar novas eleições, alertando que, se seu governo não cumprir, ele retornará à capital com três milhões de apoiadores.

“Estou lhe dando seis dias”, disse Khan de um caminhão de som estacionado na central Jinnah Avenue na quinta-feira, exigindo a dissolução do Parlamento também.

“Se você não fizer isso depois de seis dias, eu retornarei.”


Apoiadores do desafiador ex-primeiro-ministro do Paquistão Imran Khan cantam slogans ao lado de soldados paramilitares impedindo-os de marchar em direção ao Parlamento durante uma manifestação antigoverno em Islamabad, Paquistão (Anjum Naveed/AP)

Khan, ex-estrela do críquete que se tornou político islâmico, foi primeiro-ministro por mais de três anos e meio até ser deposto no mês passado por um voto de desconfiança no Parlamento.

Desde então, ele realizou comícios em todo o país, dizendo que sua remoção do cargo foi resultado de um complô organizado pelos EUA.

Washington negou a alegação, e Sharif chamou a alegação de Khan de “um pacote de mentiras”.

Na quarta-feira, os confrontos eclodiram na cidade de Lahore, no leste, quando a tropa de choque disparou gás lacrimogêneo e repeliu centenas de manifestantes pró-Khan que atiraram pedras enquanto tentavam passar por uma ponte bloqueada perto da cidade para embarcar em ônibus com destino a Islamabad.

Dezenas de seguidores de Khan entraram em confronto com a polícia em Islamabad, onde os manifestantes atearam fogo em arbustos ao longo de uma avenida principal, enviando fumaça e chamas para o céu. As brigas também foram relatadas em outros lugares, inclusive em Karachi, onde manifestantes queimaram um veículo da polícia.

O governo diz que prendeu mais de 1.700 apoiadores de Khan nas últimas 48 horas.


Polícia usa gás lacrimogêneo para dispersar apoiadores do principal partido de oposição do Paquistão marchando em Islamabad (Rahmat Gul/AP)

Khan perdeu o poder em abril, quando alguns membros de seu partido Tehreek-e-Insaf e um importante parceiro da coalizão desertaram antes de um voto de desconfiança. Mas ele culpou os Estados Unidos por isso, dizendo que Washington planejou derrubá-lo com a ajuda de Sharif.

Khan tornou-se impopular nos últimos meses de seu governo por causa da inflação crescente. No entanto, ele recuperou significativamente a popularidade perdida devido à sua campanha retórica contra os Estados Unidos e o governo de Sharif.

Embora Khan tenha se mobilizado em todo o país desde sua saída, sua marcha de quarta-feira em Islamabad foi a maior. Ele mesmo liderou milhares de apoiadores da cidade de Peshawar, no noroeste do país, exortando seus compatriotas a chegarem a Islamabad com mulheres e crianças para “libertar” o Paquistão do governo imposto pelos EUA.

Khan e seu partido estavam pedindo às multidões que marchassem até a praça em frente ao Parlamento, onde ele se juntaria a eles. Ele não deu nenhuma razão para cancelar o protesto. Centenas de seus apoiadores que chegaram à área entraram em confronto com a polícia.

As autoridades dizem que Khan encerrou seu comício depois de ver uma resposta popular ruim das massas, que dizem ter sido apenas entre 10.000 e 15.000.

Khan foi para sua casa nos subúrbios de Islamabad depois de cancelar o protesto.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.