Ex-funcionário da Apple inspira medida do estado de Washington visando coibir NDAs


Ex-funcionário da Apple inspira medida do estado de Washington visando coibir NDAs
Um ex maçã Funcionário da empresa que entrou com um Denunciante reclamação relacionada ao uso de acordos de não divulgação (NDAs) inspirou um projeto de lei no estado de Washington que visa restringir o uso de NDAs pelas empresas em assentamentos de assédio no local de trabalho e reivindicações de discriminação.

O projeto de lei no estado de Washington vem na esteira de uma lei semelhante na Califórnia.


A senadora Karen Keizer pelo estado de Washington e a deputada Liz Berry, ambas democratas, estão trabalhando em projetos de lei em suas respectivas casas, que planejam apresentar na próxima sessão legislativa, confirmaram seus gabinetes esta semana.

Cher Scarlett, uma ex-funcionária da Apple e residente no estado de Washington que desempenhou um papel importante no ativismo dos trabalhadores, disse que entrou em contato com Keizer em outubro para aumentar a conscientização sobre o problema.

“Nenhum trabalhador deve ser impedido de compartilhar sua história profundamente pessoal de assédio ou discriminação no local de trabalho só porque assinou um NDA“, Disse Berry em um comunicado à Reuters.

Os NDAs são comuns na indústria de tecnologia. Alguns funcionários alegaram que os gigantes da tecnologia usam os acordos para desencorajar atividades legalmente protegidas, como discussões sobre condições de trabalho.

Em setembro, a investidora Nia Impact Capital apresentou uma proposta aos acionistas solicitando que o conselho da Apple preparasse um “relatório público avaliando os riscos potenciais para a empresa associados ao uso de cláusulas de ocultação no contexto de assédio, discriminação e outros atos ilegais”.

Em outubro, a Apple apresentou uma resposta à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, dizendo que queria excluir a proposta porque “a política da empresa é não usar tais cláusulas”.

Depois de ver a resposta da Apple, Scarlett disse que entrou com uma denúncia de denúncia da SEC em outubro, alegando que a Apple havia feito declarações falsas e enganosas ao regulador. Ela também compartilhou documentos com Nia Impact Capital.

Scarlett, que deixou a Apple na semana passada, disse que decidiu divulgar essa informação esta semana, violando os termos de seu acordo com a Apple. O Business Insider relatou pela primeira vez os detalhes de sua história.

A Apple não quis comentar. A empresa disse anteriormente que está “profundamente comprometida em criar e manter um ambiente de trabalho positivo e inclusivo”.

O projeto de lei em Washington ecoa o “Silenced No More Act”, sancionado este ano na Califórnia e co-patrocinado pelo denunciante de tecnologia Ifeoma Ozoma.

FacebookTwitterLinkedin




Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *