EUA impõem sanções contra a China por abuso de uigures


O governo Biden disse que está impondo novas sanções a várias empresas chinesas de biotecnologia e vigilância e entidades governamentais por ações na província de Xinjiang, no último movimento contra Pequim por abusos dos direitos humanos de muçulmanos uigur na região oeste do país.

O Departamento de Comércio tem como alvo a Academia de Ciências Médicas Militares da China e seus 11 institutos de pesquisa que se concentram no uso da biotecnologia para apoiar os militares chineses.

A mudança impedirá que as empresas americanas vendam componentes para essas entidades sem licença.

A secretária de Comércio, Gina Raimondo, disse em um comunicado: “A busca científica por biotecnologia e inovação médica pode salvar vidas. Infelizmente, a RPC (República Popular da China) está escolhendo usar essas tecnologias para buscar o controle sobre seu povo e a repressão de membros de grupos minoritários étnicos e religiosos.

“Não podemos permitir que commodities, tecnologias e softwares dos EUA que apóiem ​​a ciência médica e a inovação biotécnica sejam desviados para usos contrários à segurança nacional dos EUA.”

O Departamento do Tesouro também deve emitir penalidades contra várias entidades chinesas, de acordo com um alto funcionário do governo que falou sob condição de anonimato.

O oficial, explicando as ações do Departamento de Comércio, observou que a inteligência dos EUA estabeleceu que Pequim instalou um sistema de vigilância de alta tecnologia em Xinjiang que usa reconhecimento facial biométrico e coletou amostras de DNA de todos os residentes com idades entre 12 e 65 anos em Xinjiang como parte do um esforço sistemático para suprimir os uigures.

A Casa Branca anunciou na semana passada que encenaria um boicote diplomático às Olimpíadas de Inverno em Pequim, citando os “flagrantes abusos dos direitos humanos e atrocidades em Xinjiang”. Os atletas americanos continuarão a competir, mas Biden não enviará o contingente usual de dignitários.

O governo também disse esta semana que apoia a legislação bipartidária que proíbe as importações para os EUA de Xinjiang, a menos que as empresas possam demonstrar que os produtos não foram produzidos por trabalho forçado.

A China negou quaisquer abusos e diz que as medidas tomadas são necessárias para combater o terrorismo e um movimento separatista.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.