EUA e China entram em confronto na OMS por missão científica em Wuhan


Os Estados Unidos apelaram à China para permitir que uma equipe de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) entreviste “prestadores de cuidados, ex-pacientes e trabalhadores de laboratório” na cidade central de Wuhan, recebendo uma repreensão de Pequim.

A equipe de especialistas independentes liderados pela OMS que tenta determinar as origens do novo coronavírus chegou em 14 de janeiro em Wuhan, onde estão realizando teleconferências com colegas chineses durante uma quarentena de duas semanas antes de iniciar o trabalho no terreno.

Os Estados Unidos, que acusaram a China de esconder a extensão de seu surto inicial, pediram uma investigação “transparente” liderada pela OMS e criticaram os termos da visita, sob a qual especialistas chineses fizeram a primeira fase da pesquisa.

Garrett Grigsby, do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, que chefia a delegação dos EUA, disse que a China deve compartilhar todos os estudos científicos em amostras animais, humanas e ambientais retiradas de um mercado em Wuhan, onde acredita-se que o vírus SARS-CoV-2 tenha surgiu no final de 2019.

A análise comparativa de tais dados genéticos ajudaria a “procurar sobreposições e fontes potenciais” do surto que deflagrou a pandemia Covid-19, disse ele ao Conselho Executivo da OMS.

“Temos o dever solene de garantir que esta investigação crítica seja confiável e conduzida de forma objetiva e transparente”, disse Grigsby, que também se referiu às variantes do vírus encontradas na Grã-Bretanha, África do Sul e Brasil.

Sun Yang, diretor-geral do escritório de resposta a emergências de saúde da Comissão Nacional de Saúde da China, disse ao conselho: “Os estudos sobre a origem do vírus são de natureza científica. Eles precisam de coordenação e cooperação. Precisamos parar qualquer pressão política”.

A delegação da Austrália também pediu que a equipe da OMS tenha acesso a “dados, informações e localizações-chave relevantes”.

“Não há garantias de respostas”, disse o chefe de emergência da OMS, Mike Ryan, a repórteres na sexta-feira passada.

“É uma tarefa difícil estabelecer totalmente as origens e às vezes pode levar duas, três ou quatro tentativas para ser capaz de fazer isso em diferentes ambientes.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *