Este composto poderia aumentar os benefícios do seu treino?

Um novo estudo identificou uma proteína capaz de “sentir” quando o corpo está se exercitando e agir sobre os vasos sanguíneos para influenciar a circulação. Após essa descoberta, os pesquisadores começaram a experimentar o “Yoda1”, que é um composto químico capaz de ativar essa proteína.

mulher correndoCompartilhar no Pinterest
Um composto experimental pode ser capaz de ativar uma proteína “sensor de exercício” que regula o fluxo sanguíneo. Os pesquisadores sugerem que isso pode ajudar a aumentar os benefícios do exercício físico no futuro.

Pesquisadores liderados pelo professor David Beech, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, identificaram recentemente uma proteína que desempenha um papel fundamental na regulação do fluxo sanguíneo durante o exercício.

A capacidade de ativar essa proteína à vontade pode ajudar a combater doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. Com esse objetivo em mente, os pesquisadores investigaram um composto que poderia estimular a proteína.

As descobertas dos pesquisadores foram publicadas hoje na revista Comunicações da natureza.

O exercício físico acelera a freqüência cardíaca, o que significa que, quando somos mais ativos, mais sangue é bombeado pelo corpo. Os pesquisadores notaram que uma proteína chamada “Piezo1”, encontrada no revestimento dos vasos sanguíneos, ou no endotélio, pode perceber essa alteração no fluxo sanguíneo e agir de acordo.

Piezo1, que os cientistas chamam de “sensor de exercício”, modifica o balanço elétrico no revestimento dos vasos que transportam o sangue do coração para o estômago e os intestinos.

Esses vasos sangüíneos são colocados sob pressão aumentada quando o fluxo sanguíneo se intensifica com o exercício, e a ação da proteína Piezo1 é vasoconstritora, determinando que os vasos se estreitem.

Essa vasoconstrição reduz a circulação intestinal e estomacal apenas o suficiente para permitir que mais sangue flua em direção ao cérebro e aos músculos, que são os principais “elementos” envolvidos no exercício físico.

Segundo os pesquisadores, a identificação desse mecanismo pode ajudar a conceber novas maneiras de combater doenças cardiovasculares, diabetes e síndrome metabólica, que é uma combinação de alto risco de diabetes, hipertensão e obesidade.

Eles explicam que alguns dos benefícios proporcionados pelo exercício físico podem ser devidos a essa regulação do fluxo sanguíneo facilitada pelo Piezo1.

Se pudermos entender como esses [biomolecular] Se os sistemas funcionarem, poderemos desenvolver técnicas que possam ajudar a combater algumas das maiores doenças que afetam as sociedades modernas. Sabemos que o exercício pode proteger contra doenças cardíacas, derrame e muitas outras condições. Este estudo identificou um sistema fisiológico que detecta quando o corpo dos mamíferos está se exercitando. ”

David Beech

Embora o estudo tenha identificado a ação do Piezo1 em camundongos, os cientistas dizem que ele também está presente nos seres humanos e está envolvido no mesmo mecanismo biomolecular.

Após a descoberta desta proteína, os pesquisadores estavam interessados ​​em levar adiante seu estudo para ver se poderiam ou não influenciar o Piezo1 a se tornar ativo, como um primeiro passo para encontrar novos caminhos para o tratamento de doenças cardiovasculares e metabólicas.

Eles começaram a experimentar o Yoda1, um composto químico carinhosamente nomeado após o conhecido Guerra das Estrelas personagem.

Através de suas experiências, os pesquisadores observaram que o Yoda1 simulava o efeito de um aumento do fluxo sanguíneo – típico do exercício físico – no revestimento dos vasos sanguíneos. Isso sugeriu ao Prof. Beech e sua equipe a possibilidade de desenvolver um novo medicamento que amplificasse os benefícios do exercício.

“Ao modificar [Piezo1] nos intestinos, talvez possamos superar alguns dos problemas do diabetes e talvez esse composto Yoda1 possa atingir o piezo1 na área intestinal para ter um efeito funcional ”, sugere o Prof. Beech.

O próximo passo dos cientistas a partir daqui será modificar ainda mais o Yoda1 para uso em testes in vivo adicionais. Para esse fim, a equipe do Prof. Beech já recebeu financiamento de uma organização de caridade sediada no Reino Unido que patrocina pesquisas sobre condições cardiovasculares.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *