‘Esta é a noite em que eles atacarão’, adverte presidente ucraniano do bunker


O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy emitiu um aviso assustador ao mundo sobre a Rússia, afirmando: “Esta é a noite em que eles atacarão”.

Seu alerta veio quando as forças invasoras russas se aproximaram da capital da Ucrânia na sexta-feira, em um aparente movimento de cerco após uma enxurrada de ataques aéreos em cidades e bases militares em todo o país.

Em um vídeo divulgado na sexta-feira de si mesmo e de seus assessores do lado de fora do escritório presidencial em Kiev, Zelenskyy assegurou aos ucranianos que ele e outros altos funcionários permaneceriam na capital.

Mais tarde, ele pediu um cessar-fogo e alertou em uma declaração sombria que várias cidades estavam sob ataque.

Com sinais crescentes de que a Rússia pretende derrubá-lo, Zelenskyy disse aos líderes da União Europeia em um vídeo de seu bunker na quinta-feira que pode ser a última vez que o viram vivo.


O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy (Matt Dunham/PA)

Em meio a relatos de centenas de vítimas – incluindo bombardeios que cortaram um prédio de apartamentos em Kiev e pontes e escolas destruídas – também havia sinais crescentes de que a Rússia pode estar tentando derrubar o governo da Ucrânia, que autoridades dos EUA descreveram como o objetivo final de Vladimir Putin. Seria seu esforço mais ousado redesenhar o mapa-múndi e reviver a influência de Moscou na época da Guerra Fria.

À medida que os combates persistiam, os militares da Ucrânia relataram ter derrubado um avião de transporte russo II-76 que transportava pára-quedistas perto de Vasylkiv, uma cidade a 40 quilômetros ao sul de Kiev, um relato confirmado por um alto funcionário da inteligência americana. Não ficou claro quantos estavam a bordo. Aviões de transporte podem transportar até 125 pára-quedistas.

A Rússia vetou uma resolução do Conselho de Segurança da ONU dizendo a Moscou para parar de atacar a Ucrânia e retirar todas as tropas imediatamente.

O veto era esperado, mas os Estados Unidos e seus apoiadores argumentaram que o esforço destacaria o isolamento internacional de Moscou.


(Gráficos PA)

A votação de 11 a 1 – com a abstenção da China, Índia e Emirados Árabes Unidos – mostrou uma oposição significativa, mas não total, à invasão russa de seu vizinho menor e militarmente mais fraco.

O fracasso da resolução abre caminho para os apoiadores pedirem uma votação rápida de uma medida semelhante na Assembleia Geral da ONU de 193 membros, onde não há vetos.

Não havia cronograma imediato para uma possível votação na Assembleia.

Encabeçada pelos EUA e pela Albânia, a resolução do Conselho de Segurança teria deplorado a “agressão” da Rússia contra a Ucrânia.

Ele pediu que Moscou imediatamente retire seus militares e pare de usar a força contra a Ucrânia, e reverta a decisão de reconhecer duas áreas separatistas no leste da Ucrânia como independentes.

Ao contrário das resoluções do Conselho de Segurança, as resoluções da Assembleia Geral não são juridicamente vinculativas, mas podem funcionar como declarações da opinião mundial.

Em uma reunião da Assembleia na quarta-feira, quando a invasão de Moscou se aproximava, dezenas de países condenaram a Rússia ou expressaram solidariedade com a Ucrânia.

A Rússia e a aliada Síria defenderam os movimentos de Moscou.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.