Ericsson se retira de uma grande feira de tecnologia, com o impacto do coronavírus atingindo mais empresas


A fabricante de equipamentos sem fio Ericsson está se retirando do principal evento comercial anual do setor devido ao surto de coronavírus, enquanto as montadoras estão pensando em reabrir as linhas de fábrica na China.

A seguir, apresentamos os desenvolvimentos mais recentes sobre como o vírus está afetando os negócios globais.

– Tecnologia

(Gráficos PA)

A Ericsson, um dos principais fornecedores de redes sem fio e rival da Huawei na China, está saindo do Mobile World Congress em Barcelona, ​​na Espanha, este mês. A empresa sueca disse que, como a feira atrai milhares de visitantes, “mesmo que o risco seja baixo, a empresa não pode garantir a saúde e a segurança de seus funcionários e visitantes”. Em vez do evento de Barcelona – programado para os dias 24 e 27 de fevereiro – a Ericsson trará demos para os clientes em seus mercados domésticos. Os organizadores disseram que a decisão da Ericsson prejudicará o evento, mas eles não planejam cancelá-lo. A Huawei disse recentemente que ainda comparecerá.

– Montadoras:

As pessoas passam pelo logotipo da Nissan em Tóquio (Koji Sasahara / AP)“/>
As pessoas passam pelo logotipo da Nissan em Tóquio (Koji Sasahara / AP)

A montadora japonesa Nissan disse que as vendas na China em janeiro pela empresa e seus parceiros locais caíram 11,8% em relação ao ano anterior, para 118.143 veículos devido ao surto de coronavírus e à extensão do feriado do Ano Novo Lunar. A Nissan informou anteriormente que estava considerando reabrir a maioria de suas fábricas na China na segunda-feira, mas esperaria até pelo menos 14 de fevereiro por instalações em Wuhan e nos arredores, a cidade no centro do surto. A Toyota disse que manterá suas fábricas na China fechadas por mais uma semana, até 16 de fevereiro, e decidirá se deve retomar a produção. A Toyota possui 12 fábricas na China, incluindo quatro fábricas de montagem de veículos. A Honda disse que suas três fábricas de montagem de carros em Wuhan permanecerão fechadas até 13 de fevereiro.

– Revendedores:

Mulheres chinesas tiram uma selfie do lado de fora da loja principal da Uniqlo em Pequim (Ng Han Guan / AP)“/>
Mulheres chinesas tiram uma selfie do lado de fora da loja principal da Uniqlo em Pequim (Ng Han Guan / AP)

A varejista de roupas japonesa Uniqlo disse que fechou 350, ou cerca da metade, de suas 750 lojas na China, para cumprir com as paralisações do transporte público e o fechamento de shopping centers. A empresa controladora Fast Retailing disse que cerca de 20% de suas vendas são da China. A empresa britânica Burberry, que obtém cerca de 40% de sua receita da China, disse que o impacto foi significativo. A empresa fechou 24 das 64 lojas da China e informou que o número de turistas caiu até 80%. O impacto em Hong Kong é maior que nos protestos, que reduziram pela metade as vendas no último trimestre.

– Cosméticos:

Um turista na Praça Roemerberg em Frankfurt, Alemanha (Michael Probst / AP)

A L’Oreal se juntou à crescente lista de marcas de produtos de beleza que expressam preocupação com o possível golpe nas vendas devido a restrições de viagens que estão reduzindo enormemente a demanda de compras de lojas de duty free. A empresa disse esperar um “impacto temporário” no mercado de beleza da Ásia, mas essa experiência anterior sugere que “após um período de perturbação, o consumo continua mais forte do que antes”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.