Enquanto o Google olha para a saída da Austrália, Microsoft fala com o Bing com PM – Últimas Notícias


Gigante do software Microsoft Corp está confiante que é pesquisa produtos Bing pode preencher a lacuna em Austrália E se Google puxa sua pesquisa sobre os pagamentos exigidos aos meios de comunicação, primeiro-ministro Scott Morrison disse.

A Austrália introduziu leis que forçariam o gigante da internet Google e o peso-pesado da mídia social Facebook Inc a negociar pagamentos para meios de comunicação domésticos cujos links de conteúdo direcionam tráfego para suas plataformas.

No entanto, o Big Tech as empresas consideraram as leis impraticáveis ​​e disseram no mês passado que retirariam serviços essenciais da Austrália se os regulamentos fossem adiante. Esses serviços incluem o mecanismo de busca do Google, que detém 94% do mercado de buscas do país, de acordo com dados do setor.

Microsoft O CEO Satya Nadella desde então falou com Morrison sobre as novas regras, disse a empresa de tecnologia à Reuters, e na segunda-feira, Morrison disse que a empresa de software estava pronta para aumentar a presença de sua ferramenta de busca Bing, o distante segundo colocado.

“Posso dizer que a Microsoft está muito confiante quando falei com Satya”, disse Morrison a repórteres em Canberra, sem dar mais detalhes sobre a conversa.

“Queremos apenas que as regras do mundo digital sejam as mesmas que existem no mundo real, no mundo físico”, acrescentou Morrison.



Uma porta-voz da Microsoft confirmou que a discussão ocorreu, mas não quis comentar, porque a empresa não estava diretamente envolvida nas leis.

“Reconhecemos a importância de um setor de mídia vibrante e de um jornalismo de interesse público em uma democracia e reconhecemos os desafios que o setor de mídia enfrentou ao longo de muitos anos por meio da mudança dos modelos de negócios e das preferências do consumidor”, disse a porta-voz.

Um representante do Google não estava imediatamente disponível para comentar.

Um dia antes, o tesoureiro australiano Josh Frydenberg disse que o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, havia solicitado uma reunião sobre a lei, e que eles conversaram, mas que ele não desistiria da mudança.


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.