‘Eles também são nosso povo’: Mianmar estenderá as vacinas de Covid-19 a Rohingya | Noticias do mundo


Mianmar vacinará a minoria muçulmana Rohingya contra o coronavírus, disse um porta-voz de seus militares governantes na sexta-feira, acrescentando que ninguém será deixado para trás em sua campanha de vacinação.

Centenas de milhares de Rohingya fugiram para Bangladesh durante as operações militares em 2017 e os que permanecem reclamam de discriminação e maus-tratos em um país que não os reconhece como cidadãos.

O porta-voz Zaw Min Tun disse que as autoridades estão fazendo progressos na redução das infecções por coronavírus e no aumento da vacinação e pretendem inocular metade da população do país até o final deste ano.

Mianmar relatou 2.635 novas infecções por coronavírus e 113 mortes adicionais na quinta-feira, embora o número de casos diários e mortes relatadas tenham diminuído em relação ao pico atingido em julho.

As vacinações incluiriam o povo Rohingya nos distritos de Maungdaw e Buthidaung, na fronteira com Bangladesh, disse ele.

Ele se referiu a eles como “bengalis”, um termo usado por décadas na maioria budista de Mianmar para descrever Rohingya, um grupo que muitos consideram como imigrantes indesejados da vizinha Bangladesh.

“Eles também são nosso povo”, disse Zaw Min Tun em uma entrevista coletiva regular. “Não vamos deixar ninguém para trás.”

Não ficou imediatamente claro se a campanha de vacinação se estenderia aos muçulmanos Rohingya que vivem em acampamentos densamente lotados no estado de Rakhine e quais seriam os critérios de qualificação.

A questão é profundamente delicada em Mianmar, onde a animosidade contra Rohingya é profunda. Grupos de direitos internacionais dizem que centenas de milhares de apátridas Rohingya deveriam ter direito à cidadania, em vez de serem discriminados e rotulados como imigrantes ilegais.

Um administrador nomeado pela junta no início deste mês disse que não havia nenhum plano para incluir Rohingya em campos próximos à capital do estado, Sittwe.

Pelo menos 700.000 Rohingya fugiram de Rakhine para Bangladesh em 2017 durante operações do exército sob o comando do General Min Aung Hlaing, que agora é primeiro-ministro e chefe da junta de Mianmar.

Investigadores da ONU disseram que essas operações foram realizadas com “intenção genocida”, mas o exército negou e disse que tinham como objetivo combater “terroristas” Rohingya.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.