Efeitos protetores da curcumina em doenças cardiovasculares – impacto no estresse oxidativo e nas mitocôndrias


As doenças cardiovasculares (DCV) contribuem para grande parte da mortalidade mundial. Da mesma forma, dois dos principais fatores de risco para essas doenças, envelhecimento e obesidade, também são problemas globais. O envelhecimento, o declínio gradual das funções do corpo, não é modificável. A obesidade, um fator de risco modificável para DCV, também predispõe ao diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Além disso, afeta não apenas a vasculatura e o coração, mas também os depósitos de gordura específicos, que têm um grande impacto no desenvolvimento e progressão das DCVs. Os denominadores comuns de envelhecimento, obesidade e DM2 incluem estresse oxidativo, disfunção mitocondrial, anormalidades metabólicas, como perfis lipídicos alterados e metabolismo da glicose e inflamação. Várias substâncias vegetais, como a curcumina, o principal composto ativo da raiz da cúrcuma, são usadas há muito tempo na medicina tradicional e no tratamento de DCVs. Novos estudos mecanicistas, animais e humanos fornecem evidências de que a curcumina tem efeitos pleiotrópicos e atenua vários parâmetros que contribuem para um risco aumentado de DCV no envelhecimento, bem como na obesidade. Assim, a curcumina como nutracêutico pode ser promissora na prevenção de DCVs, mas são necessários mais ensaios clínicos padronizados para desvendar completamente seu potencial.

Palavras-chave: envelhecimento; aterosclerose; doenças cardiovasculares; curcumina; mitocôndria; infarto do miocárdio; obesidade; estresse oxidativo; fatores de risco.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.