Duas ativistas sauditas pelos direitos das mulheres libertadas da prisão


Duas ativistas sauditas pelos direitos das mulheres foram libertadas da prisão, três anos depois de uma forte repressão do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman contra ativistas femininas, disseram grupos de direitos humanos.

Parece agora que todas as ativistas dos direitos das mulheres detidas na varredura de 2018 foram libertadas da prisão, embora a situação de uma mulher continue incerta.

O grupo de direitos humanos ALQST, com sede em Londres, que se concentra principalmente na Arábia Saudita, disse que as duas mulheres – Samar Badawi e Nassima al-Sada – foram libertadas na madrugada de sábado ou domingo. A Human Rights Watch também confirmou sua libertação.

As mulheres foram condenadas a cinco anos de prisão, dois dos quais foram suspensos.

Eles haviam criticado as leis de tutela masculina da Arábia Saudita, que davam aos maridos, pais e, em alguns casos, ao filho da própria mulher, controle sobre sua capacidade de obter um passaporte e viajar. Eles também haviam defendido o direito das mulheres de dirigir. Desde então, ambas as restrições foram levantadas.

As duas mulheres permanecem proibidas de viajar ao exterior por cinco anos como parte de sua liberdade condicional, disseram grupos de direitos humanos.

Como outras ativistas dos direitos das mulheres sauditas libertadas da prisão, grupos de direitos humanos disseram que as duas mulheres provavelmente enfrentarão proibição de falar à mídia e postar online sobre seu caso.

A maioria das mulheres detidas na campanha do príncipe herdeiro foi presa em maio de 2018, mas a Sra. Badawi e a Sra. Al-Sada foram detidas várias semanas depois, em julho daquele ano.

Quase uma dúzia das mulheres disse anteriormente aos juízes sauditas que foram espancadas nas costas e coxas, eletrocutadas e afogadas por homens mascarados durante os interrogatórios.


Uma mulher passa por um banner que mostra o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, à esquerda (AP Photo / Amr Nabil)

Algumas mulheres dizem que foram tocadas e apalpadas à força, e ameaçadas de estupro e morte. Uma das mulheres tentou o suicídio na prisão.

O governo saudita não comentou os casos individuais da maioria das mulheres nem divulgou suas acusações.

Não está claro do que a Sra. Badawi e a Sra. Al-Sada foram consideradas culpadas.

Várias pessoas com conhecimento do caso de al-Sada disseram que ela foi acusada de acordo com uma lei de crimes cibernéticos e foi considerada culpada de minar a ordem pública ao se comunicar com jornalistas e organizações estrangeiras.

A Sra. Badawi é uma conhecida ativista de direitos humanos baseada em Jiddah que ganhou destaque pela primeira vez quando ela fez uma petição aos tribunais sauditas para remover seu pai como seu tutor legal, alegando que ele a estava impedindo de se casar com potenciais pretendentes.

Anos mais tarde, ela falou em defesa de seu irmão Raif Badawi, que está cumprindo 10 anos de prisão por postar na Internet críticas ao estabelecimento religioso ultraconservador. Ele foi açoitado publicamente em 2015 pelo rei Abdullah.

A mãe de dois filhos foi posteriormente casada por algum tempo com Waleed Abul-Khair, um advogado de direitos humanos que atualmente cumpre 15 anos de prisão.


A Amnistia Internacional disse que a Sra. Al-Sada foi mantida em confinamento solitário durante um ano (Amnistia Internacional / PA)

A Sra. Al-Sada é uma proeminente ativista pelos direitos das mulheres da Província Oriental, uma área densamente povoada pela minoria muçulmana xiita do reino. Ela também foi franca na defesa de maiores direitos para os xiitas.

A Anistia Internacional disse que ela foi mantida em confinamento solitário por um ano e não teve permissão para ver seus filhos ou seu advogado por meses a fio.

As prisões das mulheres, algumas das quais são mães, avós e conhecidas professoras universitárias, pegou muitos de surpresa porque aconteceu na mesma época em que o reino suspendeu sua antiga proibição de dirigir mulheres em junho de 2018.

Ativistas com conhecimento do caso da ativista Maya’a al-Zahrani disseram que ela foi condenada em dezembro pelo mesmo tribunal antiterrorismo do proeminente ativista de direitos humanos Loujain al-Hathloul e recebeu sentença semelhante. Não está claro se a Sra. Al-Zahrani foi libertada da prisão.

A Sra. Al-Hathloul foi libertada da prisão em fevereiro, depois de cumprir quase três anos de detenção. Ela havia sido condenada por acusações relacionadas ao seu ativismo, como agitação por mudanças, busca por uma agenda estrangeira e uso da internet para prejudicar a ordem pública.

Vários dos homens sauditas que apoiaram ativistas dos direitos das mulheres continuam detidos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *