‘Difícil de reconciliar’: Jacinda Ardern sobre as diferenças da Nova Zelândia com a China

As diferenças da Nova Zelândia com a China em direitos humanos estão se tornando “mais difíceis de conciliar”, disse a primeira-ministra Jacinda Ardern na segunda-feira, depois que Wellington foi criticado por não desafiar seu maior parceiro comercial.

O governo de Ardern foi criticado por suas críticas humildes ao histórico de direitos da China, o que levou a acusações de que a Nova Zelândia é um elo fraco na rede de inteligência Five Eyes, liderada pelos Estados Unidos.

Em um discurso no China Business Summit em Auckland, Ardern disse que a Nova Zelândia já havia levantado “graves preocupações” com a China sobre o tratamento dado aos uigures na província de Xinjiang e falado sobre a erosão das liberdades democráticas em Hong Kong.

Mas o líder de centro-esquerda disse que Wellington tem uma política externa independente e é livre para escolher se sinaliza essas questões publicamente ou durante discussões privadas com autoridades chinesas.

Independentemente de como as questões de direitos humanos foram tratadas, Ardern admitiu que havia algumas questões sobre as quais a China e a Nova Zelândia nunca concordariam.

“Não terá escapado à atenção de ninguém aqui que, conforme o papel da China no mundo cresce e muda, as diferenças entre nossos sistemas – e os interesses e valores que moldam esses sistemas – estão se tornando mais difíceis de reconciliar”, disse ela.

“Este é um desafio que nós, e muitos outros países na região do Indo-Pacífico, mas também na Europa e outras regiões, também estamos lutando.”

Ardern disse que apontar áreas de diferença com Pequim é “parte integrante da Nova Zelândia se manter fiel a quem somos como nação”.

“Precisamos reconhecer que há algumas coisas sobre as quais a China e a Nova Zelândia não concordam, não podem e não concordarão”, disse ela.

“Isso não precisa atrapalhar nosso relacionamento, é simplesmente uma realidade.”

– ‘Natação na pista da Nova Zelândia’ –

A ministra das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Nanaia Mahuta, expressou inquietação no mês passado sobre a aliança Five Eyes de décadas – composta pelos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia – por ir além de sua missão de compartilhamento de inteligência entre os países membros.

Ocorreu poucos meses depois de o ministro do Comércio, Damien O’Connor, ter instado a Austrália a mostrar mais “respeito” por Pequim, após a assinatura da Nova Zelândia de um acordo de livre comércio atualizado com a China.

As autoridades da Nova Zelândia também tiveram o cuidado de não criticar diretamente a crescente influência da China no Pacífico, ao contrário de seus colegas americanos e australianos.

Em contraste, as fortes críticas de Canberra a Pequim em questões como Hong Kong e a necessidade de investigar as origens da Covid-19 estimulou taxas punitivas em mais de uma dúzia de importações australianas, incluindo vinho e cevada.

Ardern disse que é do próprio interesse da China agir de forma consistente com suas responsabilidades internacionais.

“Como uma potência significativa, a maneira como a China trata seus parceiros é importante para nós”, acrescentou.

Embora os comentários de Ardern possam tranquilizar outras nações do Cinco Olhos que a Nova Zelândia compartilha suas preocupações sobre a China, ela deixou claro que Wellington continuaria a traçar seu próprio curso e não se sentiria obrigado a fazer declarações conjuntas.

“Muitas vezes me perguntam em qual raia estamos nadando – nadamos na raia da Nova Zelândia”, disse ela.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *