Diamante considerado o terceiro maior do mundo descoberto em Botswana | Noticias do mundo


Um diamante que se acredita ser o terceiro maior já extraído foi descoberto em Botswana, por meio de uma joint venture entre a De Beers da Anglo American e o governo. O diamante de 1098 quilates foi mostrado ao presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, na quarta-feira, duas semanas depois que a empresa de diamantes Debswana o descobriu.

A grande pedra de qualidade, que mede 73 mm de comprimento, 52 mm de largura e 27 mm de espessura, é ligeiramente menos pesada do que o segundo maior diamante do mundo ‘Lesedi La Rona’, que também foi encontrado em Botswana em 2015. O maior diamante descoberto até hoje, Pedra Cullinan de 3106 quilates, recuperada na África do Sul em 1905.

“Este é o maior diamante a ser recuperado pela Debswana em sua história de mais de 50 anos em operação”, disse a diretora-gerente interina da Debswana, Lynette Armstrong.

“De nossa análise preliminar, pode ser a terceira maior pedra de qualidade do mundo. Ainda estamos para tomar uma decisão sobre se vamos vendê-la através do canal De Beers ou através da estatal Okavango Diamond Company”, acrescentou ela.

Leia também | Pedras misteriosas estimulam a corrida do diamante na pobre região da África do Sul

O ministro de Minerais Lefoko Moagi disse que a descoberta do diamante ainda a ser nomeado não poderia ter acontecido em melhor hora depois que a pandemia da doença do coronavírus (Covid-19) atingiu as vendas de diamantes em 2020. Enquanto uma estimativa do custo potencial do diamante foi Ainda não divulgado, o custo do Lesedi La Rona, que foi vendido por US $ 53 milhões em 2017 para uma joalheria londrina, pode ser usado para aferir o custo potencial.

O presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, detém uma gema de diamante em Gaborone, Botswana, em 16 de junho de 2021. (AFP)
O presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, detém uma gema de diamante em Gaborone, Botswana, em 16 de junho de 2021. (AFP)

O governo de Botsuana recebe até 80 por cento da receita das vendas de Debswana por meio de dividendos, royalties e impostos. A devastação econômica causada pela pandemia impactou tanto a produção quanto a demanda de diamantes em 2020. A produção em Debswana caiu 29%, para 16,6 milhões de quilates, enquanto as vendas caíram 30%, para US $ 2,1 bilhões.

Em 2021, Debswana planeja aumentar a produção em até 38% para níveis pré-pandêmicos de 23 milhões de quilates, à medida que o mercado global de diamantes se recupera com a redução das restrições de viagens e a reabertura de joalherias.

(Com informações da Reuters)



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.