Dezenas de mortos após bombardeio russo atingir escola ucraniana


Dezenas de ucranianos estão mortos depois que uma bomba russa destruiu uma escola que abrigava cerca de 90 pessoas no porão, enquanto as forças invasoras de Moscou mantinham sua barreira de cidades, vilas e vilarejos no leste e sul da Ucrânia.

O governador da província de Luhansk, uma das duas áreas que compõem o centro industrial do leste conhecido como Donbas, disse que a escola na vila de Bilohorivka pegou fogo após o bombardeio de sábado.

Equipes de emergência encontraram dois corpos e resgataram 30 pessoas, disse ele.

“Provavelmente, todas as 60 pessoas que permanecem sob os escombros agora estão mortas”, escreveu o governador Serhiy Haidai no aplicativo de mensagens Telegram.


(Gráficos PA)

O bombardeio russo também matou dois meninos, de 11 e 14 anos, na cidade vizinha de Pryvillia, disse ele.

Desde que não conseguiu capturar a capital da Ucrânia, Kiev, a Rússia concentrou sua ofensiva no Donbas, onde separatistas apoiados por Moscou lutam desde 2014 e ocupam algum território.

O maior conflito europeu desde a Segunda Guerra Mundial se transformou em uma guerra de desgaste punitiva devido à defesa inesperadamente eficaz dos militares ucranianos.

Para demonstrar o sucesso, Moscou pretendia completar sua conquista da cidade portuária sitiada de Mariupol a tempo das comemorações do Dia da Vitória na segunda-feira.

Todas as mulheres, crianças e civis mais velhos que estavam abrigados com combatentes ucranianos em uma grande siderúrgica que é o último reduto de defesa da cidade foram evacuados no sábado.

As tropas ainda dentro se recusaram a se render e pediram ajuda internacional para tirá-los também.


Fumaça sobe da Metalúrgica Combine Azovstal em Mariupol durante o bombardeio (Alexei Alexandrov/AP)

Capturar Mariupol daria a Moscou uma ponte terrestre para a Península da Criméia, anexada da Ucrânia durante uma invasão em 2014.

Fotos de satélite tiradas na sexta-feira pelo Planet Labs PBC mostraram uma vasta devastação na siderúrgica Azovstal.

Os prédios tinham buracos nos telhados, incluindo um sob o qual centenas de combatentes provavelmente estariam escondidos.

Depois que as equipes de resgate evacuaram os últimos civis no sábado, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse em seu discurso noturno que o foco se voltaria para a extração dos feridos e médicos, acrescentando: “Claro, se todos cumprirem os acordos. Claro, se não houver mentiras.”

Em outros lugares da costa, sirenes de ataque aéreo soaram várias vezes na madrugada de domingo no principal porto de Odesa, no Mar Negro, que a Rússia atingiu com seis mísseis de cruzeiro no sábado.

O conselho da cidade de Odesa disse que quatro dos mísseis atingiram uma empresa de móveis, com as ondas de choque e detritos danificando prédios de apartamentos.


Um homem da defesa territorial posa para uma foto ao lado de carros destruídos durante a ocupação russa em Irpin, nos arredores de Kiev (Emilio Morenatti/AP)

Os outros dois mísseis atingiram o aeroporto de Odesa, onde um ataque russo anterior destruiu a pista.

Em um sinal da resistência obstinada que sustentou os combates em sua 11ª semana, os militares da Ucrânia atacaram posições russas em uma ilha do Mar Negro que foi capturada nos primeiros dias da guerra e se tornou um símbolo da resistência ucraniana.

Analistas militares ocidentais também disseram que uma contra-ofensiva ucraniana estava avançando em torno da segunda maior cidade do país, Kharkiv.

Os militares da Ucrânia disseram que as forças russas em retirada destruíram três pontes em uma estrada a nordeste da cidade para tentar retardar o avanço ucraniano.

Líderes ucranianos alertaram que os ataques só piorariam no período que antecedeu o Dia da Vitória, quando a Rússia comemora a derrota da Alemanha nazista em 1945 com desfiles militares.


Militares russos marcham durante um ensaio geral para o desfile militar do Dia da Vitória em Moscou, Rússia (Alexander Zemlianichenko/AP)

Acredita-se que o presidente russo, Vladimir Putin, queira proclamar algum tipo de triunfo na Ucrânia quando se dirigir às tropas na Praça Vermelha na segunda-feira.

Na vizinha Moldávia, tropas russas e separatistas estavam em “alerta total”, alertaram os militares ucranianos.

A região tem se tornado cada vez mais um foco de preocupações de que o conflito possa se expandir além das fronteiras da Ucrânia.

As forças pró-Rússia romperam a seção da Transnístria da Moldávia em 1992, e as tropas russas estão estacionadas lá desde então, ostensivamente como forças de paz.

Essas forças estão em “total prontidão para o combate”, disse a Ucrânia, sem dar detalhes sobre como chegou à avaliação.

Moscou tentou varrer o sul da Ucrânia tanto para isolar o país do mar quanto para criar um corredor para a Transnístria.

Mas tem lutado para alcançar esses objetivos.

Fotos de satélite analisadas pela Associated Press (AP) mostraram a Ucrânia mirando a Ilha da Cobra, controlada pela Rússia, em uma tentativa de impedir os esforços da Rússia para controlar o Mar Negro.


Esta imagem de satélite mostra uma fumaça preta espessa subindo após um suposto ataque de drone ucraniano a posições russas na Ilha da Cobra (Planet Labs PBC via AP)

Uma imagem de satélite tirada na manhã de domingo pelo Planet Labs PBC mostrou fumaça subindo de dois locais na ilha.

No extremo sul da ilha, um incêndio fumegava ao lado de escombros.

Isso correspondia a um vídeo divulgado pelos militares ucranianos mostrando seu ataque a um helicóptero russo que havia voado para a ilha.

Uma imagem do Planet Labs de sábado mostrou que a maioria dos edifícios da ilha, bem como o que parecia ser uma embarcação de desembarque da classe Serna contra a praia do norte da ilha, foi destruída por ataques de drones ucranianos.

O combate mais intenso dos últimos dias ocorreu no leste da Ucrânia.

Analistas militares ocidentais disseram que uma contra-ofensiva das forças ucranianas estava progredindo em torno de Kharkiv.

O exército ucraniano disse que retomou o controle de cinco vilarejos e parte de um sexto perto da cidade do nordeste.

No entanto, o exército ucraniano se retirou da cidade de Popasna, na província de Luhansk, disse Haidai no domingo.


Pessoas ficam ao lado de uma cratera em uma área residencial destruída após um ataque aéreo russo em Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia (Evgeniy Maloletka/AP)

Em uma entrevista em vídeo postada em seu canal Telegram, Haidai disse que as tropas de Kiev “se mudaram para posições mais fortes, que prepararam com antecedência”.

“Todos os assentamentos livres na região de Luhansk são pontos quentes”, acrescentou Haidai.

“Neste momento, há batalhas de tiro nas (aldeias) de Bilohorivka, Voivodivka e em direção a Popasna.”

Zelensky disse em seu discurso noturno que o trabalho também continuará no domingo para garantir corredores humanitários para os moradores de Mariupol e cidades vizinhas saírem.

Ainda não está claro o que acontecerá com os cerca de 2.000 combatentes na fábrica de Azovstal, tanto aqueles que ainda estão em combate quanto as centenas que se acredita estarem feridas.

O governo ucraniano tem procurado organizações internacionais para tentar garantir uma passagem segura para eles.

Zelensky disse que as autoridades estão tentando encontrar uma maneira de evacuá-los.

Ele reconheceu a dificuldade, mas disse: “Não estamos perdendo a esperança, não estamos parando. Todos os dias estamos procurando alguma opção diplomática que possa funcionar.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.