Definição, Freud, exemplos, sintomas e muito mais

O complexo Electra é um termo usado para descrever a versão feminina do Complexo de Édipo.

Envolve uma menina, com idades entre 3 e 6 anos, tornando-se subconscientemente sexualmente apegada ao pai e cada vez mais hostil à mãe. Carl Jung desenvolveu a teoria em 1913.

Sigmund Freud, que desenvolveu a teoria do complexo de Édipo, primeiro desenvolveu a idéia de que uma menina concorre com sua mãe pela atenção sexual de seu pai.

No entanto, foi Carl Jung – contemporâneo de Freud – quem primeiro chamou essa situação de "complexo Electra" em 1913.

Assim como o complexo de Édipo recebeu o nome de um mito grego, o mesmo ocorre com o complexo de Electra.

Segundo a mitologia grega, Electra era filha de Agamenon e Clitemnestra. Quando Clitemnestra e seu amante, Egisto, mataram Agamenon, Electra convenceu seu irmão Orestes a ajudá-la a matar sua mãe e o amante de sua mãe.

Segundo Freud, todas as pessoas passam por numerosos estágios de desenvolvimento psicossexual quando crianças. O estágio mais importante é o "estágio fálico" entre 3 e 6 anos de idade.

Segundo Freud, é quando meninos e meninas ficam fixados no pênis. Freud argumentou que as meninas se fixam na falta de pênis e, na sua ausência, no clitóris.

No desenvolvimento psicossexual de uma menina, Freud propôs, ela se apega à mãe até perceber que não tem pênis. Isso faz com que ela se ressente da mãe por "castrá-la" – uma situação que Freud chamou de "inveja do pênis". Por causa disso, ela desenvolve um apego ao pai.

Mais tarde, a menina se identifica mais fortemente com a mãe e emula seu comportamento por medo de perder o amor da mãe. Freud chamou isso de "atitude feminina de Édipo".

Freud acreditava que esse era um estágio crucial no desenvolvimento de uma jovem, pois a leva a aceitar papéis de gênero e a entender sua própria sexualidade.

Freud propôs que a atitude feminina de Édipo era mais intensa emocionalmente do que a Complexo de Édipo, então foi reprimido com mais severidade pela jovem. Ele acreditava que isso levava as mulheres a serem menos autoconfiantes e mais subservientes.

Carl Jung expandiu essa teoria rotulando-a de "complexo Electra". No entanto, esse rótulo foi rejeitado por Freud, que disse que era uma tentativa de analogizar o complexo de Édipo entre os sexos.

Como Freud acreditava que havia diferenças cruciais entre o complexo de Édipo e a atitude feminina de Édipo, ele não acreditava que devessem ser confundidos.

Inicialmente, a menina é apegada à mãe.

Então, ela percebe que não tem pênis. Ela experimenta "inveja do pênis" e culpa a mãe por sua "castração".

Como ela deseja possuir sexualmente um pai e não pode possuir sua mãe sem um pênis, ela tenta possuir seu pai. Nesta fase, ela desenvolve sentimentos sexuais subconscientes em relação ao pai.

Ela se torna hostil em relação à mãe e se apega ao pai. Ela pode afastar a mãe ou concentrar toda a atenção no pai.

Eventualmente, ela percebe que não quer perder o amor de sua mãe, então se apega a ela novamente, imitando as ações de sua mãe. Emulando a mãe, ela aprende a seguir os papéis tradicionais de gênero.

Na puberdade, ela começará a se sentir atraída por homens que não estão relacionados a ela, segundo Freud.

Jung observou que alguns adultos podem regredir para o estágio fálico ou nunca crescer fora do estágio fálico, deixando-os sexualmente apegados aos pais.

Atualmente, o complexo Electra não é amplamente aceito em psicologia. Como em muitas teorias de Freud, o complexo de atitudes femininas de Édipo e a noção de "inveja do pênis" também são amplamente criticadas.

Pouquíssimos dados suportam a ideia de que o complexo Electra é real. Não é um diagnóstico oficial na nova edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5).

Como um 2015 paper ressalta, as idéias de Freud sobre o desenvolvimento psicossexual foram criticadas como ultrapassadas porque dependem de papéis de gênero centenários.

O conceito de "inveja do pênis" foi, em particular, criticado como sexista. Os complexos de Édipo e Electra também implicam que uma criança precisa de dois pais – uma mãe e um pai – para se desenvolver adequadamente, o que tem sido criticado como heteronormativo.

Dito isto, é possível que as meninas experimentem atração sexual por seus pais. Não é tão universal quanto Freud e Jung acreditavam ser, de acordo com muitos no campo.

O complexo Electra não é mais uma teoria amplamente aceita. A maioria dos psicólogos não acredita que seja real. É mais uma teoria que se tornou objeto de piadas.

Se você estiver preocupado com o desenvolvimento mental ou sexual de seu filho, procure um profissional de saúde, como um médico ou psicólogo infantil. Eles podem ajudar a guiá-lo de uma maneira que possa resolver suas preocupações.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *