Decisão judicial leva a pedidos de demissão de Johnson

Houve pedidos na mídia para o primeiro-ministro Boris Johnson renunciar após a decisão da Suprema Corte de declarar ilegal a suspensão do parlamento.

Embora Johnson tenha mantido um tom desafiador ao dizer que discorda do veredicto do tribunal, e embora Downing Street tenha deixado claro que não vai renunciar, o Financial Times, o Daily Mirror e o The Guardian levaram a pressão para o primeiro-ministro britânico baixa.

Em um artigo condenador, o Financial Times disse que qualquer primeiro-ministro com um "pingo de respeito" pela democracia britânica e as responsabilidades do cargo renunciariam.

Ele disse que a prorrogação sempre foi uma "aposta de alto risco" e havia "galvanizado" os parlamentares para usar o tempo que eles tinham para atar as mãos de Johnson à legislação para impedir um não acordo – e custar-lhe a maioria.

O colunista do Mirror Kevin Maguire diz que o "tirano de Tinpot" já teria deixado o cargo "se este Tory incompetente tivesse um pingo de decência, dignidade, integridade ou honra".

"Há um lugar especial na história esperando por você, primeiro-ministro", diz a primeira página do jornal, ao lado de fotos de Johnson e dos seis primeiros estreantes britânicos.

O editorial do Guardian diz que um primeiro ministro com honra renuncia, mas acrescenta que Johnson "não tem honra nem vergonha".

O líder do Times diz que o veredicto "dificilmente poderia ser mais devastador" para Johnson, mas acrescenta que "suas fortunas políticas continuam a depender de ele conseguir um acordo com Bruxelas na época da cúpula da UE em 17 de outubro" e depois obter Apoio do Parlamento.

A primeira página do Sun diz que seus leitores "reagiram com fúria" à decisão do tribunal e "bombardearam" o jornal com mensagens de apoio ao primeiro-ministro.

O editorial do tabloide chamou a decisão de "golpe impressionante e perigoso" por juízes políticos.

O Daily Mail diz que Johnson "declarou guerra ao judiciário" por sua decisão, enquanto o líder da Câmara, Jacob Rees-Mogg, enfrentou uma "crise constitucional".

"Ilegal? O que é lícito negar o Brexit de 17,4 milhões de dólares! ", Espirra o Daily Express, com o comentarista político Patrick O'Flynn descrevendo a decisão de terça-feira como o dia" mais traumático "para os partidários do Brexit.

O editorial do jornal deposita pouca confiança nos parlamentares atuais para entregar o Brexit em tempo hábil, em vez disso pedindo uma “eleição geral que permita que os cidadãos de nosso país pressionem o botão de redefinição de nossa política, elegendo homens e mulheres que honrem o comando do eleitorado ”.

O Daily Telegraph apresenta uma coluna do deputado conservador Liam Fox, que escreve que o julgamento "não faz nada para resolver o dilema essencial em que nos encontramos sobre o estado atual do debate sobre o Brexit".

E o editorial do jornal diz que o primeiro-ministro está "paralisado" enquanto tenta "realizar a vontade democrática" do povo.

– Associação de Imprensa




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *