De notícias falsas a cultura de fãs: China expõe o que é permitido em uma Internet ‘civilizada marxista’ | Noticias do mundo


A ideia abrangente da China é garantir que o conteúdo online siga “o status orientador do marxismo na esfera ideológica do ciberespaço”,

Bloomberg |

ATUALIZADO EM 15 DE SETEMBRO DE 2021 09:53 IST

A China está estabelecendo a lei sobre qual comportamento é – e não é – permitido em uma internet marxista “civilizada”, em um amplo conjunto de diretrizes para governar o que já é uma das esferas digitais mais policiadas do mundo.

Os próximos regulamentos, muitos baseados em diretrizes preliminares anteriores, abrangem maior proteção para menores contra o bullying online para combater notícias falsas e verificar contas online. A ideia geral é garantir que o conteúdo online siga “o status orientador do marxismo na esfera ideológica do ciberespaço”, informou a agência oficial de notícias Xinhua, citando um resumo online postado pelo Conselho de Estado.

As novas diretrizes fornecem potencialmente uma estrutura para fortalecer ainda mais o controle do governo sobre os gigantes da Internet, da Tencent Holdings Ltd. à ByteDance Ltd. e as vastas quantidades de conteúdo e dados que elas geram. Eles coincidem com uma ampla campanha para influenciar as normas online, desde a supressão do que Pequim chama de “cultura do fã” até forçar os gigantes a abrirem seus ecossistemas fechados, vinculando-se a serviços rivais.

Não está claro quando os regulamentos finais serão publicados. Em seu resumo, o Conselho de Estado disse que mais regulamentação era necessária para melhorar a ética e o comportamento. Para esse fim, uma plataforma nacional será estabelecida para conter rumores online e informações falsas, enquanto amplia a propaganda sobre as realizações do Partido Comunista, disse a Xinhua.

“O país pretende regular melhor a produção, publicação e distribuição de conteúdo online, classificar a gestão das contas online e construir um mecanismo nacional para travar e prevenir a desinformação”, relatou a agência de notícias. “Serão lançadas campanhas para combater crimes online e serão feitos esforços para proteger as informações pessoais e a segurança dos dados.”

O escrutínio renovado de Pequim sobre o conteúdo online ocorre após um esforço de meses para controlar a influência crescente de seus titãs da Internet e pressioná-los a compartilhar a enorme riqueza que acumularam durante o boom tecnológico de uma década. Xi Jinping está promovendo uma filosofia de “prosperidade comum” que, além de restringir a supervisão de gigantes da tecnologia que já foram liberais, também inclui estimular a juventude do país a atividades mais produtivas e erradicar o conteúdo que o Partido considera contrário a essa ambição.

Outros pontos do resumo incluíram:

  • Um apelo para fomentar uma ideologia “comum” online entre o Partido e o povo
  • Um amplo esforço para elevar os “padrões éticos” dos usuários da Internet.
  • Melhor proteção para informações pessoais e segurança de dados
  • Financiar governos locais e departamentos relevantes para apoiar a campanha
Fechar


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *