David Cameron telefonou para líderes europeus e americanos para pedir desculpas pelo Brexit

O ex-primeiro-ministro David Cameron ligou para os líderes europeus e o presidente dos EUA, Barack Obama, para pedir desculpas por sua estratégia fracassada de manter a Grã-Bretanha na União Europeia.

O conservador escreveu que estava "triste em deixar o cargo, mas ainda mais triste que a Grã-Bretanha deixaria a UE" em suas memórias, que serão publicadas no The Times antes da publicação na quinta-feira.

Outra revelação no livro, intitulada For The Record, foi que o atual PM Boris Johnson perguntou se Michael Gove estava "um pouco quebrado" depois que o Brexiteer o traiu durante a corrida de liderança dos conservadores em 2016.

Ao escrever sobre a manhã seguinte ao referendo do Brexit, em que 52% das pessoas votaram para deixar o bloco de 28 membros, Cameron disse que estava ciente da "enormidade do que aconteceu" e que "ficaria comigo pelo resto da minha vida". vida".

O poder estava diminuindo como uma lâmpada fraca

Ele acrescentou: “Houve telefonemas com os outros primeiros e vice-primeiros ministros. Falei com líderes europeus e com Obama. Para cada um, eu disse a mesma coisa: ‘Eu tinha uma estratégia para manter a Grã-Bretanha na UE. Eu executei a estratégia. Não deu certo. Eu sinto Muito.'"

“Enquanto esperava seus próximos ocupantes, Downing Street se tornou um lugar misterioso. O poder estava diminuindo como uma lâmpada fraca.

"Compromissos pré-arranjados em meu diário me mantiveram ocupada, mas eu estava começando a me sentir o equivalente político de The Walking Dead".

O ex-primeiro ministro conservador também recordou a batalha violenta para substituí-lo no número 10 em suas memórias.

Gove inicialmente apoiou a campanha de Johnson, mas depois retirou dramaticamente seu apoio e anunciou que se sustentaria – levando o agora PM a desistir do concurso.

Como chanceler do Ducado de Lancaster, Gove agora é responsável pelos preparativos sem acordo do Brexit no governo de Johnson, e a revelação pode pressionar o relacionamento dele com o primeiro-ministro.

A batalha de liderança de 2016 acabou sendo vencida por Theresa May, e Cameron revelou no livro como ele secretamente incentivou Gavin Williamson a ajudar sua campanha, de acordo com o The Times.

Em trechos do livro publicado no fim de semana, Cameron mirou Gove, descrevendo-o como um "Faragista manchado de espuma".

Ele disse que Johnson queria se tornar o "queridinho" do partido Tory e "não queria arriscar permitir que alguém com um alto perfil – Michael Gove em particular – ganhasse a coroa".

Cameron disse que o primeiro-ministro "não acreditava" no Brexit e apenas apoiou a campanha Leave para continuar sua carreira.

"A conclusão que me resta é que ele arriscou um resultado em que não acreditava porque ajudaria sua carreira política", escreveu ele.

– Associação de Imprensa


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *