Coronavírus não verificado ‘poderia ter matado 40 milhões e infectado sete bilhões”

O coronavírus poderia ter causado 40 milhões de mortes e infectado sete bilhões de pessoas se não fosse controlado, dizem os especialistas.

Pesquisadores do Imperial College London fizeram as descobertas com base em análises que estimaram a escala potencial da pandemia de coronavírus em todo o mundo.

O estudo destaca que a falha em mitigar o impacto pode levar a uma enorme perda de vidas.

Os pesquisadores analisaram vários cenários, incluindo o que teria acontecido se o mundo não tivesse reagido ao Covid-19 – o “cenário não mitigado”.

Eles também incluíram dois cenários incorporando distanciamento social, que resultam em uma epidemia de pico único – cenários mitigados.

Também houve vários cenários para suprimir a disseminação da doença que podem ter o maior impacto geral em termos de redução de doenças e mortes.

De acordo com o cenário não mitigado, se deixado sem controle, o vírus poderia infectar sete bilhões de pessoas e causar cerca de 40 milhões de mortes neste ano.

(Gráficos PA)

O relatório sugere que o distanciamento social para reduzir a taxa de contatos sociais em 40%, juntamente com uma redução de 60% nos contatos sociais entre a população idosa, poderia reduzir esse ônus em cerca de metade.

Mas a modelagem revelou que, mesmo com essa redução, os sistemas de saúde em todos os países teriam sido sobrecarregados muito rapidamente.

O Dr. Patrick Walker, autor do relatório da Imperial, disse: “Estimamos que o mundo enfrenta uma emergência aguda de saúde pública sem precedentes nas próximas semanas e meses.

“Nossas descobertas sugerem que todos os países enfrentam uma escolha entre medidas intensivas e caras para suprimir a transmissão ou arriscar que os sistemas de saúde se tornem rapidamente sobrecarregados.

“No entanto, nossos resultados destacam que uma ação rápida, decisiva e coletiva agora salvará milhões de vidas no próximo ano.”

O relatório é o 12º a ser divulgado pelo Centro Colaborador da OMS para Modelagem de Doenças Infecciosas no Centro MRC de Análise Global de Doenças Infecciosas (Gida), pelo Instituto Abdul Latif Jameel de Análise de Doenças e Emergências (J-Idea).

Nele, a equipe mostra que a rápida adoção de medidas comprovadas de saúde pública – incluindo testes e isolamento de casos e maior distanciamento social para impedir a transmissão – são essenciais para conter o impacto da pandemia.

De acordo com o modelo da equipe, a implementação de medidas no início pode ter um impacto dramático.

Se todos os países adotassem essa estratégia com 0,2 mortes por 100.000 habitantes por semana, 95% das mortes poderiam ser evitadas, salvando 38,7 milhões de vidas.

No entanto, se essa estratégia for adotada posteriormente, com 1,6 mortes por 100.000 habitantes por semana, esse número cai para 30,7 milhões.

O professor Azra Ghani, presidente de epidemiologia de doenças infecciosas da Imperial, disse: “É necessária uma ação rápida, decisiva e coletiva por todos os países para limitar o efeito dessa pandemia.

“A ação precoce tem o potencial de reduzir a mortalidade em até 95%, salvando 38,7 milhões de vidas.

“Ao mesmo tempo, é preciso considerar o impacto mais amplo de todas as medidas implementadas para garantir que as mais vulneráveis ​​sejam protegidas dos impactos mais amplos à saúde, sociais e econômicos de tal ação”.

Os pesquisadores dizem que seus resultados mostram a carga que os países de baixa e média renda enfrentam.

O professor Neil Ferguson disse: “Nossa pesquisa se soma à crescente evidência de que a pandemia do Covid-19 representa uma grave ameaça à saúde pública global.

“Os países precisam agir coletivamente para responder rapidamente a essa epidemia de rápido crescimento”.

Os pesquisadores enfatizam que os modelos não são previsões do que acontecerá, mas ilustram a magnitude do problema e os benefícios de uma ação rápida, decisiva e coletiva.

    Informação útil

  • O HSE desenvolveu um pacote de informações sobre como proteger a si e aos outros contra o coronavírus. Leia-o aqui
  • Qualquer pessoa com sintomas de coronavírus que tenha estado em contato próximo com um caso confirmado nos últimos 14 dias deve se isolar de outras pessoas – isso significa entrar em uma sala diferente e bem ventilada sozinha, com um telefone; telefonar para o seu médico ou departamento de emergência;
  • Os serviços de GP fora do horário comercial não estão em condições de solicitar exames para pacientes com sintomas normais de constipação e gripe. O HSELive é uma linha de informações e, da mesma forma, não está em posição de solicitar testes para membros do público. Pede-se ao público que reserve 112/999 para emergências médicas o tempo todo.
  • SOZINHO lançou uma linha de apoio nacional e apoios adicionais para idosos que tenham preocupações ou enfrentam dificuldades relacionadas ao surto de COVID-19 (Coronavírus) na Irlanda. A linha de suporte estará aberta sete dias por semana, das 8h às 20h, ligando para 0818 222 024

Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *