Conversando com Alguém com Câncer de Mama Metastático: Usando Empatia


Compartilhe no Pinterest
Imagem de crédito: Ron Levine / Getty Images – Edição de fotos de Monica Pardo

Se alguém que você ama tem câncer de mama metastático, é normal sentir que você não sabe o que dizer a essa pessoa. A comunicação pode ser desafiadora mesmo nas melhores circunstâncias. Lidar com o câncer pode tornar as coisas ainda mais difíceis.

A empatia pode ser uma forma poderosa de se conectar com a pessoa amada e entender melhor como ela está se sentindo. Você não pode consertar o que eles estão passando, mas emprestar um ouvido empático pode proporcionar conforto.

É muito bom saber que você é amado e querido, não importa como esteja se sentindo.

Empatia é conectar-se com alguém colocando-se na posição dela – como caminhar uma milha em seus sapatos. Quando você trabalha para entender a perspectiva de outra pessoa, isso cria uma conexão poderosa. O uso da empatia melhora a comunicação e ajuda a fortalecer os relacionamentos.

A empatia funciona mesmo se a pessoa estiver em uma situação muito diferente da sua.

Empatia significa compartilhar os sentimentos de outra pessoa. O objetivo de usar uma linguagem empática não é animar alguém, apresentar soluções ou tentar apontar o lado positivo.

O cérebro humano deseja evitar emoções desconfortáveis. É normal querer tentar consertar o que alguém está sentindo. É preciso prática para aceitar uma série de emoções sem sentir a necessidade de mudá-las.

Ouça realmente a pessoa para entender como ela está se sentindo. Deixe-os saber que você entende e que eles não estão sozinhos.

Imagine que você teve um dia difícil no trabalho e está contando isso a um amigo. Aqui estão algumas respostas que usam linguagem empática:

  • “Isso soa terrível.”
  • “Obrigado por me dizer.”
  • “Estou aqui com você se quiser continuar falando sobre isso.”

Aqui estão algumas respostas que não usam linguagem empática:

  • “Oh, você deveria ouvir sobre o dia que eu tive!”
  • “Você deveria começar a procurar um novo emprego.”
  • “Ei, pelo menos você ainda tem um emprego.”

Considere como as diferentes respostas o fazem se sentir. De qualquer forma, você ainda pode estar chateado com seu dia, e isso está OK. O uso de linguagem empática cria uma conexão com outra pessoa. Você não está mais sozinho com seus sentimentos difíceis.

Parte da compreensão de como outra pessoa está se sentindo é aprender mais sobre o que ela está passando.

Se você for o cuidador da pessoa, talvez já compareça às consultas médicas com ela. Acompanhar o seu ente querido nas consultas médicas irá ajudá-lo a saber mais sobre a sua condição e o que esperar. A equipe médica deles também poderá conectar você com outros recursos, se desejar saber mais.

Ir com o seu ente querido às consultas médicas também pode ajudá-lo a entender melhor o plano de tratamento e o tempo e a energia que o tratamento exige.

Se você não comparecer às consultas, peça permissão ao seu ente querido para falar diretamente com a equipe médica.

Ser empático tem a ver com sua linguagem, mas também com suas ações. Ao fazer uma pergunta, preste muita atenção à resposta. Dê total atenção ao seu ente querido e ouça realmente o que ele está dizendo.

Não tente mudar as emoções que eles estão sentindo ou pule com soluções. Faça o seu melhor para apenas sentar-se com os sentimentos e imaginar como eles se sentem pelo seu ente querido.

Fazer perguntas abertas ao seu ente querido ajudará você a descobrir mais sobre como ele está se sentindo. As perguntas abertas exigem mais do que uma simples resposta sim ou não. Frequentemente começam com quem, o quê, quando, onde ou como.

Aqui estão alguns exemplos de perguntas empáticas que são abertas:

  • “Qual foi a coisa mais desafiadora para você hoje / esta semana?”
  • “O que você tentou para ajudá-lo a dormir?”
  • “Como é [symptom] afetando você? “

Ouça atentamente a sua resposta. Isso significa estar completamente focado no que a outra pessoa está dizendo. Aceite o que eles estão dizendo sem nenhum julgamento.

Tente não criar uma resposta enquanto eles ainda estão falando. É preciso prática, mas é possível treinar-se para ser um ouvinte melhor. Todos nós queremos nos sentir ouvidos e compreendidos.

Quando você cuida de alguém com uma doença crônica, fica muito focado nas necessidades da pessoa. É fácil esquecer que você também precisa de cuidados.

Pense nas coisas na vida que mais alegram você. Tente encontrar oportunidades para encaixar essas coisas em sua programação. Lembre-se de que você não precisa fazer tudo sozinho.

Pode valer a pena explorar se cuidados temporários estão disponíveis. Você também pode procurar ajuda para contratar.

O suporte pode estar disponível com tarefas domésticas, refeições, compras ou manutenção do jardim. Para mostrar-se como o melhor para quem você ama, você também precisa cuidar de si mesmo.

Considere encontrar apoio emocional por meio de um grupo de cuidadores ou trabalhando com um conselheiro.

O diagnóstico de câncer de mama metastático de um ente querido é difícil de enfrentar para qualquer pessoa. A empatia é uma forma poderosa de se conectar com eles.

O objetivo da empatia não é “consertar” os sentimentos de alguém ou livrar-se de emoções difíceis. É sobre conectar-se emocionalmente com a pessoa amada para que ela se sinta menos sozinha.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.