Consciência ‘restaurada’ usando estimulação nervosa


Clínicos e pesquisadores relatam que eles usaram a estimulação do nervo vago para “restaurar a consciência” em um paciente de 35 anos que passou 15 anos em estado vegetativo.

homem deitado na cama do hospitalCompartilhar no Pinterest
Tendo usado a estimulação do nervo vago, os pesquisadores restauraram a consciência para um homem que estava em estado vegetativo por 15 anos.

Publicado na revista Biologia Atual, a descoberta parece desafiar a visão de que é impossível restaurar a consciência nos casos em que houve mais de um ano de “comportamento sem resposta”.

A investigadora co-líder Dra. Angela Sirigu, do Instituto de Ciências Cognitivas Marc Jeannerod em Lyon, França, comenta que seus resultados mostram que “é possível melhorar a presença de um paciente no mundo”, estimulando o nervo vago.

O método usado pela equipe para estimular o nervo vago já está aprovado para o tratamento da epilepsia e depressão.

O nervo vago liga o cérebro à laringe, faringe, coração, pulmões, intestino e outras partes do corpo. Ela desempenha um papel importante no estado de alerta e vigília, e em funções essenciais não direcionadas conscientemente (como digestão, respiração e batimentos cardíacos).

Classificado como um “nervo misto”, o nervo vago consiste em parte de fibras que transmitem sinais do cérebro e em parte de fibras que transmitem sinais para o cérebro a partir do corpo.

Sirigu e seus colegas queriam descobrir se a estimulação do nervo vago poderia ou não restaurar a consciência. Eles escolheram um paciente em estado vegetativo por mais de 10 anos, sem sinais de melhora, a fim de reduzir a probabilidade de que alguma melhora pudesse ocorrer por acaso.

“Seguindo a hipótese de que a estimulação do nervo vago reorganiza funcionalmente a rede tálamo-cortical”, eles explicam em seu relatório, “testamos seus efeitos na atividade cortical de um paciente em estado vegetativo por 15 anos após lesão cerebral traumática”.

A equipe implantou um estimulador do nervo vago no peito do paciente de 35 anos e aumentou gradualmente a corrente de estimulação para um máximo de 1,5 miliamperes.

Após 1 mês de estimulação do nervo vago, o paciente começou a mostrar sinais de melhora, tanto nas medidas de comportamento quanto na atividade cerebral.

Por exemplo, sua atenção e movimentos melhoraram: seus olhos podiam seguir um objeto em movimento, e ele moveu a cabeça quando solicitado. Sua mãe também relatou que ele era mais capaz de ficar acordado e ouvir quando seu terapeuta lia um livro para ele.

Havia também outras respostas que não estavam presentes antes da estimulação, como reagir com surpresa de olhos arregalados quando alguém se aproximou de seu rosto de repente.

Além de observar as melhorias observadas pelos médicos e membros da família, a equipe também encontrou melhorias nas pontuações de um teste denominado CRS-R (Recovery Scale-Revised).

As melhorias no teste CRS-R foram principalmente no “domínio visual” e, à medida que a estimulação aumentou, os escores aumentaram de 5 (a última medida antes da implantação) para 10 no nível mais alto de estimulação.

Houve também algumas mudanças importantes na atividade cerebral, como vistas nos resultados anteriores e posteriores da eletroencefalografia (EEG) e na tomografia por emissão de pósitrons 18F-fluorodeoxiglucose (18F-FDG PET).

Por exemplo, um sinal cerebral “encontrado para distinguir de maneira confiável pacientes minimamente conscientes dos vegetativos” – chamado “sinal teta EEG” – melhorou significativamente em partes do cérebro que lidam com sensação, consciência e movimento. Os exames de PET confirmaram muitas das descobertas das gravações de EEG.

Nas descobertas, os autores observam que “mostram que a estimulação do nervo vago promoveu a disseminação de sinais corticais e causou um aumento da atividade metabólica” que, por sua vez, levou a melhorias medidas e observadas no comportamento.

Eles concluem que suas descobertas sugerem que a intervenção correta pode trazer mudanças, mesmo nos casos mais graves de estado vegetativo.

A plasticidade cerebral e o reparo cerebral ainda são possíveis, mesmo quando a esperança parece ter desaparecido. ”

Dra. Angela Sirigu

A equipe agora planeja levar as descobertas para o próximo nível com um grande estudo envolvendo vários pacientes. Sirigu diz que suas descobertas também lançaram uma nova luz sobre a “capacidade fascinante” da mente de “produzir experiência consciente”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *