Concentrações subótimas de plasma de cadeia longa n-3 são comuns entre adultos nos Estados Unidos, NHANES 2003-2004


Faltam dados populacionais sobre o status de ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 de cadeia longa (LCn-3 PUFA) de biomarcadores de ingestão alimentar. Os objetivos eram descrever as concentrações plasmáticas de LCn-3 PUFA e compará-las às concentrações associadas à saúde cardiovascular e às recomendações dietéticas para duas porções de frutos do mar por semana. Os ácidos graxos do plasma em jejum foram medidos entre 1.386 indivíduos ≥20 anos a partir do National Health and Nutrition Examination Survey, 2003-2004. As concentrações de LCn-3 representam a soma de ácido eicosapentaenóico, ácido docosapentaenóico e ácido docosahexaenóico em relação aos ácidos graxos totais (expresso como uma porcentagem). A concentração média de PUFA LCn-3 foi de 2,07% (IC de 95% 1,95-2,19). No geral, 80,6% dos participantes tinham LCn-3 abaixo das concentrações recomendadas para saúde cardiovascular. Os participantes hispânicos eram os mais propensos a ter PUFA LCn-3 abaixo dos níveis recomendados. Quase todos os participantes (95,7%) tinham LCn-3 abaixo das concentrações associadas à proteção cardiovascular. Participantes mais velhos (≥60 anos) tiveram concentrações de LCn-3 PUFA mais altas do que aqueles com idade entre 20-39 anos, mas não com idade entre 40-59 anos. As concentrações de LCn-3 PUFA foram menores para os participantes hispânicos em relação aos participantes negros não hispânicos. Concentrações subótimas de LCn-3 são comuns entre adultos norte-americanos. Essas descobertas destacam a necessidade de aumentar a ingestão de LCn-3 entre os americanos.

Palavras-chave: NHANES; adequação; ingestão alimentar; ômega-3; ácidos graxos poliinsaturados.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.