Como ‘fazer cócegas’ no ouvido pode prevenir doenças relacionadas à idade


Novas pesquisas sugerem que o uso de correntes elétricas controladas para estimular certas partes do ouvido pode reajustar o equilíbrio metabólico do corpo, reduzindo assim o risco de problemas de saúde relacionados à idade.

imagem de um ouvido de idososCompartilhar no Pinterest
Pode fazer cócegas no ouvido com estímulos elétricos para melhorar a saúde mais tarde na vida? Cientistas do Reino Unido acreditam que sim.

A estimulação do nervo vago é uma prática que ultimamente ganhou muita atenção de pesquisadores médicos.

O nervo vago é o mais longo dos nervos que conectam o cérebro a outras partes do corpo. Ele fornece uma ligação direta entre o cérebro e o intestino e também interage com o sistema nervoso parassimpático.

O sistema nervoso parassimpático e o sistema nervoso simpático juntos formam o sistema nervoso autônomo, que regula as funções corporais automáticas, como respiração e freqüência cardíaca.

Por essas razões, os pesquisadores estudaram o uso da estimulação do nervo vago para apoiar a saúde, reduzindo a inflamação, melhorando a pressão sanguínea e até combatendo a ansiedade.

A estimulação do nervo vago geralmente requer intervenção cirúrgica, na qual os médicos implantam pequenos eletrodos em diferentes regiões do corpo – geralmente no pescoço – para que possam fornecer os estímulos elétricos.

No entanto, uma extensão do nervo vago, que atinge algumas partes da pele do ouvido externo, é mais acessível que as outras. Os médicos podem estimular esse ramo do nervo vago sem a necessidade de implantes.

Recentemente, pesquisadores das universidades de Leeds e Glasgow – ambos no Reino Unido – decidiram descobrir se poderiam melhorar a atividade do sistema nervoso autônomo “fazendo cócegas” nessas partes do ouvido com pequenas ondas de corrente elétrica.

“O ouvido é como uma porta de entrada através da qual podemos mexer no equilíbrio metabólico do corpo, sem a necessidade de medicação ou procedimentos invasivos”, diz a autora principal Beatrice Bretherton, Ph.D.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que o reequilíbrio da atividade do sistema nervoso autônomo poderia aumentar a saúde e o bem-estar em geral. Eles também acreditavam que isso poderia impedir o desenvolvimento de certas condições relacionadas à idade, incluindo pressão alta, doenças cardíacas e fibrilação atrial.

Terapia de 2 semanas melhora o sono e o humor

Os pesquisadores desenvolveram uma terapia que eles chamam de “estimulação transcutânea do nervo vago”, que funciona fornecendo pequenos estímulos elétricos ao nervo vago através de seu ramo na pele do ouvido externo.

Em seu trabalho de estudo – que aparece na revista Envelhecimento – os investigadores explicam que, à medida que um indivíduo envelhece, seu sistema nervoso parassimpático e simpático se desequilibra, sendo que um começa a ser mais ativo que o outro. Dizem que esse desequilíbrio contribui para uma maior vulnerabilidade aos problemas de saúde mais tarde na vida.

A pesquisa atual envolveu três estudos diferentes, todos os quais recrutaram participantes com 55 anos ou mais que não tinham hipertensão (pressão alta), doença cardíaca, diabetes ou epilepsia no início do estudo. No primeiro estudo, um grupo de 14 participantes recebeu uma sessão de estimulação transcutânea do nervo vago e uma sessão de estimulação nervosa simulada.

Para o segundo estudo, os pesquisadores trabalharam com 51 participantes que concordaram em realizar apenas uma sessão de estimulação transcutânea do nervo vago. Finalmente, no terceiro estudo, 29 participantes receberam estimulação do nervo vago diariamente por 2 semanas.

Os dois primeiros estudos permitiram que os pesquisadores definissem as taxas de resposta dos participantes, dando-lhes uma visão mais profunda de como a estimulação do nervo vago através do ouvido afetaria a saúde.

A equipe descobriu que a terapia de duas semanas ajudou a aumentar a atividade do sistema nervoso parassimpático enquanto reduzia a atividade do sistema nervoso simpático, melhorando assim o equilíbrio da função do sistema nervoso autônomo.

Alguns dos participantes do estudo também relataram melhorias no sono, no humor e na qualidade de vida geral.

“Acreditamos que esses resultados são apenas a ponta do iceberg”, observa Bretherton, acrescentando: “Estamos empolgados em investigar mais os efeitos e os possíveis benefícios a longo prazo da estimulação diária da orelha, pois vimos uma ótima resposta ao tratamento. tão longe.”

Terapia pode ‘fazer uma grande diferença’

A equipe acrescenta que melhorar o equilíbrio do sistema nervoso autônomo pode até ajudar a diminuir o risco de mortalidade e reduzir a necessidade de medicamentos ou assistência médica, pois diminui a chance de uma pessoa desenvolver doenças relacionadas à idade.

Além disso, os pesquisadores observaram que os participantes que apresentaram o maior desequilíbrio do sistema nervoso autônomo na linha de base se beneficiaram mais da terapia de “cócegas” no ouvido, pois observaram as melhorias mais significativas no bem-estar.

Os próximos passos a partir daqui, diz a equipe, são descobrir quais pessoas são mais propensas a se beneficiar da estimulação transcutânea do nervo vago e ver como essa forma de terapia pode melhorar diferentes aspectos da saúde mais tarde na vida.

Acreditamos que esse estímulo pode fazer uma grande diferença na vida das pessoas, e agora esperamos realizar mais estudos para ver se [transcutaneous vagus nerve stimulation] pode beneficiar vários distúrbios “.

Co-autor sênior Susan Deuchars, Ph.D.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.