China registra nova alta diária de casos de Covid e noite de raros protestos | Noticias do mundo


Pequim: A China registrou no sábado um terceiro recorde diário consecutivo de novos casos de Covid-19 em meio a vários relatos nas redes sociais de protestos de cidadãos contra restrições, incluindo uma manifestação em grande escala na cidade de Urumqi, no noroeste, e esporádicas em Pequim, indicando um ressentimento crescente entre as pessoas com os bloqueios e restrições inexplicáveis ​​que prejudicam vidas e reduzem as rendas.

Enquanto o resto do mundo passou a ter uma existência endêmica com o vírus, a China continua aderindo à política “zero-Covid” recentemente facilitada, mas rigorosamente implementada, de isolar todas as infecções com isolamento, bloqueios e testes em massa.

Dado o surto de rápida propagação e em todo o país, impulsionado pela Omicron, o pior desde o início da pandemia, a política interrompeu a vida normal e deprimiu a economia.

A China relatou no sábado 35.183 novas infecções por Covid-19 na sexta-feira, incluindo um punhado de casos “importados”, informou a comissão nacional de saúde (NHC) em seu boletim diário, dos quais 3.474 eram sintomáticos, enquanto os demais eram assintomáticos.

As grandes cidades de Guangzhou, Chongqing e Pequim continuaram lutando para conter surtos violentos, com a capital registrando outro recorde diário de quase 2.600 novas infecções.

Pequim, uma cidade de quase 22 milhões de pessoas, literalmente parou na semana passada com as restrições relacionadas ao Covid-19 implementadas em todos os seus 16 distritos – isso quando um bloqueio não foi formalmente anunciado.

O distrito de Chaoyang, o mais atingido e o mais populoso, foi praticamente fechado com as autoridades locais fechando escritórios, restaurantes, shoppings e a maioria dos espaços públicos. Os residentes estão sendo desencorajados a sair de suas casas, a menos que seja necessário.

Muitos blocos de apartamentos em Pequim foram parcialmente fechados apenas por causa de um único caso em um complexo vizinho; em alguns lugares, os residentes não foram informados por que seus prédios de apartamentos foram colocados sob “gerenciamento estático” ou bloqueio.

Enquanto isso, os testes em massa continuaram na cidade de Chongqing, no sudoeste do país, um município com mais de 30 milhões de pessoas.

“No município de Chongqing, no sudoeste da China, que registrou mais de 60.000 infecções desde 1º de novembro, as autoridades organizaram empresas de varejo para montar estandes temporários fora dos complexos residenciais que estavam sob administração fechada”, disse a agência de notícias oficial Xinhua em um relatório. no sábado.

O Ministério do Comércio disse que fará maiores esforços para garantir o suprimento de necessidades diárias, especialmente para residentes em áreas afetadas pelo ressurgimento do Covid-19.

A cidade de Guangzhou, no sul da China, lar de quase 19 milhões de habitantes, continua sendo o epicentro atual da onda contínua de surtos causados ​​pela Omicron na China.

Entre 22 de outubro e sexta-feira, a cidade registrou mais de 120 mil infecções, a maioria casos assintomáticos, segundo informações oficiais compiladas pelo site de notícias Caixin.

Cidadãos protestam

Muitos relatos de protestos de cidadãos contra as regras de “covid zero” da China foram compartilhados nas redes sociais, especialmente no Twitter, durante a noite intermediária entre sexta e sábado, dando um raro vislumbre da raiva latente entre muitos residentes sobre as políticas de controle da Covid.

Imagens de vídeo e fotos mostraram pessoas protestando, em grupos grandes e pequenos, bem como indivíduos, em cidades como Urumqi, Pequim, capital financeira Xangai, Zhengzhou no centro da China e Chongqing.

Milhares de residentes em Urumqi, capital do noroeste de Xinjiang, saíram às ruas e se reuniram em frente ao escritório do governo provincial na noite de sexta-feira em protesto após dois incidentes: a morte de 10 pessoas em um incêndio em um arranha-céu onde o corpo de bombeiros não conseguiu chegar a tempo, e o pessoal de segurança espancando um morador no bairro de Lianxing por questionar as políticas de controle da Covid.

Vídeos mostraram grandes multidões gritando “fim do bloqueio” enquanto marchavam em direção ao escritório do governo provincial; algumas filmagens mostraram cidadãos discutindo com o pessoal de segurança.

Muitos dos quatro milhões de residentes de Urumqi foram impedidos de deixar suas casas trancadas por mais de dois a três meses, em alguns casos por mais de 100 dias, por causa da política de “covid zero”, apesar dos números de infecção serem baixos.

O incidente de incêndio foi uma tendência na plataforma chinesa Weibo, semelhante ao Twitter, com muitos descrevendo o incidente como uma tragédia relacionada às políticas de controle da Covid de Pequim. Notícias relacionadas foram compartilhadas e visualizadas mais de 780 milhões de vezes.

Um comentário em particular, que fazia referência a mortes, incluindo suicídios relacionados à política de “zero covid”, foi compartilhado nas redes sociais chinesas antes de ser censurado.

Postado no Twitter pelo usuário @haifeng_huang, o comentário traduzido dizia: “Fui eu quem pulou do prédio, fui eu que estava no ônibus capotado, fui eu quem saiu da Foxconn… sem renda por um mês… e fui eu quem morreu no incêndio. Se não for eu, da próxima vez serei eu.”

Respondendo à situação, o governo de Xinjiang anunciou no sábado, de acordo com o tabloide estatal Global Times, que a cidade “basicamente eliminou os casos de Covid-19 em nível comunitário e restaurará a ordem na vida dos residentes em áreas de baixa renda. áreas de risco de forma faseada.”

Uma equipe de investigação foi definida para investigar a causa do incêndio e os culpados de causar o acidente serão punidos, informou o Global Times.

Notícias e filmagens de protestos comunitários em Pequim, mostrando moradores irados exigindo que os complexos sejam reabertos, também foram compartilhados nas redes sociais. Em pelo menos um caso, o bloqueio foi revogado.

  • SOBRE O AUTOR

    Sutirtho Patranobis está em Pequim desde 2012, como correspondente do Hindustan Times na China. Anteriormente, ele trabalhou em Colombo, Sri Lanka, onde cobriu a fase final da guerra civil e suas consequências. Patranobis cobriu várias áreas, incluindo saúde e política nacional em Delhi, antes de ser destacado para o exterior.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *