China realiza ataque simulado em Taiwan enquanto intensos exercícios militares continuam | Noticias do mundo


PEQUIM: O Exército de Libertação Popular da China (PLA) está realizando seu mais detalhado ataque simulado de forças conjuntas contra Taiwan desde sexta-feira, enquanto Pequim continua realizando exercícios militares sem precedentes ao redor da ilha para desabafar sua raiva contra a visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, ao país país governado.

A mídia oficial do PLA indicou que a escala do ataque simulado era grande sem compartilhar detalhes, dizendo que os exercícios se concentraram em testar as capacidades de ataques terrestres e marítimos dos militares chineses.

Um relatório em um portal oficial do PLA disse que a divisão naval do comando do teatro oriental despachou mais de 10 destróieres e escoltas para realizar “bloqueio e controle conjunto nas águas ao redor da ilha de Taiwan, e continuamente organizou ataques terrestres simulados dia e noite”.

Exercícios conjuntos de combate antissubmarino também foram realizados para melhorar as principais capacidades de combate dos navios, informou o portal do PLA.

“Várias fragatas, barcos de mísseis e várias unidades móveis de poder de fogo guiadas em terra realizam perseguições em alvos importantes no mar e lançam ataques simulados”, disse o relatório.

“Com aviões de guerra (chineses) chegando tão perto da ilha que os pilotos podem confirmar visualmente seu litoral e a Cordilheira Central”, disseram analistas ao tablóide estatal Global Times sobre os exercícios, dizendo que o PLA exibiu seu controle sobre a ilha. .

Os exercícios chineses, posicionados em seis locais marítimos ao redor da ilha e apoiados por sistemas de mísseis terrestres, estão programados para durar até o meio-dia de domingo.

O PLA enviou “vários” navios de guerra e aeronaves para o Estreito de Taiwan no sábado, disse o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan em comunicado, confirmando os ataques “simulados”.

“Várias naves PLA foram detectadas ao redor do Estreito de Taiwan, algumas cruzaram a linha mediana. Possível ataque simulado…”, disse o ministério no Twitter.

Pelosi chegou a Taiwan na noite de terça-feira, a visita de mais alto nível à ilha por um importante político dos EUA em décadas, para uma breve visita, apesar dos repetidos avisos emitidos por Pequim.

Pequim respondeu com fúria à visita de Pelosi, inclusive sancionando ela e sua família e cancelando vários mecanismos de diálogo com os EUA.

A China montou na sexta-feira uma ofensiva diplomática contra a visita cancelando oito mecanismos bilaterais. O Ministério das Relações Exteriores chinês disse que “oito contramedidas” foram implementadas em resposta à visita de Pelosi a Taiwan, que incluiu o cancelamento de conversas entre oficiais militares e a suspensão de negociações críticas sobre crise climática entre Pequim e Washington.

A agência de notícias oficial do governo chinês, Xinhua, emitiu um artigo de opinião contundente sobre sua visita no início do sábado, identificando “seis erros”.

“Ao visitar Taiwan, Pelosi cometeu seis erros: renegar compromissos passados, atropelar o estado de direito, minar a paz, intrometer-se nos assuntos internos da China, manipulação política e abuso de poder para fins egoístas”, disse o artigo de opinião. “A visita está destinada a enfrentar o julgamento e a punição da história”, acrescentou.

  • SOBRE O AUTOR

    Sutirtho Patranobis está em Pequim desde 2012, como correspondente do Hindustan Times na China. Anteriormente, ele foi colocado em Colombo, Sri Lanka, onde cobriu a fase final da guerra civil e suas consequências. Patranobis cobriu vários assuntos, incluindo saúde e política nacional em Delhi antes de ser enviado para o exterior.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.