China dispara 2ª investigação da OMS sobre a origem do vírus Covid | Noticias do mundo


A China rejeitou na sexta-feira os apelos da Organização Mundial da Saúde (OMS) por uma nova investigação sobre a origem do vírus Covid-19, dizendo que apoiava os esforços científicos sobre os políticos para descobrir como a doença começou.

A proposta também foi feita sem consulta total aos Estados membros, disse um diplomata chinês. “Nós nos opomos ao rastreamento político … e ao abandono do relatório conjunto”, que foi emitido depois que uma equipe de especialistas da OMS visitou Wuhan em janeiro, disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Ma Zhaoxu, a repórteres. “Apoiamos o rastreamento científico”, acrescentou Ma.

A pandemia já ceifou mais de 4,3 milhões de vidas e infectou mais de 205,3 milhões de pessoas, de acordo com o rastreador de coronavírus da Universidade Johns Hopkins, com sede nos Estados Unidos.

Em briefing com 31 representantes e embaixadores de 29 países em Pequim, Ma disse que recentemente o secretariado da OMS apresentou a proposta de trabalho para a próxima fase sem consultar totalmente seus países membros, que foi rejeitada e posta em dúvida.

Ma acrescentou que Pequim estava sempre pronta para cooperar no rastreamento da origem da Covid-19 e nunca rejeitou a cooperação. Mas a China rejeita a politização da investigação, disse Ma à mídia estatal chinesa.

EUA: FDA concorda com dose extra de vacina

Os EUA autorizaram na quinta-feira uma dose extra da vacina Covid para pessoas com sistema imunológico enfraquecido, enquanto o país luta para impedir a variante Delta. A autorização de uso de emergência para uma terceira injeção das vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna foi concedida pelo regulador da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. “O país entrou em mais uma onda da pandemia Covid-19, e a FDA está especialmente ciente de que pessoas imunocomprometidas estão particularmente em risco de doença grave”, disse a comissária interina da FDA, Janet Woodcock.

Israel expande campanha para tiros de reforço

Na sexta-feira, Israel reduziu de 60 para 50 a idade mínima de elegibilidade para uma injeção de reforço da vacina Covid-19 e também as oferecerá aos profissionais de saúde, na esperança de conter um aumento nas infecções variantes do Delta. O diretor-geral do ministério da saúde de Israel, Nachman Ash, aceitou uma recomendação na noite de quinta-feira de um painel consultivo de especialistas para expandir a elegibilidade para terceira injeção da vacina Pfizer -BioNTech.

Os elegíveis serão “pessoas com mais de 50 anos, profissionais de saúde, pessoas com fatores de risco graves para o coronavírus, presidiários e guardas”.

(Com contribuições de agências)



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *