Chefe da ONU critica ‘ganância grotesca’ de empresas de petróleo e gás


O chefe das Nações Unidas criticou duramente a “ganância grotesca” das empresas de petróleo e gás por lucrar recordes com a crise de energia nas costas das pessoas mais pobres do mundo, “enquanto destroem nosso único lar”.

O secretário-geral Antonio Guterres disse que é “imoral” que as maiores empresas de energia no primeiro trimestre do ano tenham obtido lucros combinados de cerca de US$ 100 bilhões.

Ele pediu a todos os governos que tributem esses lucros “excessivos” “e usem os fundos para apoiar as pessoas mais vulneráveis ​​nesses tempos difíceis”.

Guterres exortou as pessoas em todos os lugares a enviar uma mensagem à indústria de combustíveis fósseis e seus financiadores de que “essa ganância grotesca está punindo as pessoas mais pobres e vulneráveis, enquanto destrói nossa única casa comum, o planeta”.

O secretário-geral falou em uma coletiva de imprensa de lançamento de um relatório do Grupo Global de Resposta a Crises que ele criou para enfrentar as crises tríplices interconectadas de alimentos, energia e finanças que atingiram especialmente países que tentam se recuperar da pandemia de Covid-19 e lidar com o impacto devastador da guerra na Ucrânia.

Guterres disse a repórteres que “estamos vendo lucros excessivos e escandalosos da indústria de petróleo e gás em um momento em que todos nós estamos perdendo dinheiro” por causa da inflação de cerca de 7% a 8%.

E “nada será mais popular do que tributar os lucros excessivos… e distribuir esse dinheiro às famílias mais vulneráveis”, disse.

O grupo de crise já apresentou recomendações sobre alimentos e finanças e Guterres disse acreditar que “estamos fazendo algum progresso” nessas áreas, especialmente em alimentos.

O relatório se concentra na crise de energia, e o secretário-geral disse que pretende alcançar o equivalente ao acordo de grãos que ele propôs aos presidentes russo e ucraniano para permitir que grãos ucranianos sejam enviados de portos bloqueados pela Rússia no Mar Negro para mercados mundiais em necessidade desesperada de suprimentos de alimentos.

O primeiro navio a deixar a Ucrânia foi para o Líbano na quarta-feira após uma inspeção de três horas em águas turcas.

Guterres disse que especuladores e obstáculos para levar grãos e fertilizantes aos mercados globais durante a guerra na Ucrânia elevaram os preços dos alimentos.

Mas desde que as negociações sobre o acordo de grãos “ganhou força”, disse ele, houve “uma queda significativa” e hoje os preços da maioria dos alimentos e fertilizantes estão mais ou menos nos preços de antes da guerra.

“Mas isso não significa que o pão na padaria está com o mesmo preço antes da guerra, porque são cotações em mercados atacadistas, algumas delas relacionadas a futuros”, disse ele, e há muitos outros fatores que contribuem para preços crescentes, incluindo custos de transporte e seguro e interrupções na cadeia de suprimentos.

A chefe de comércio da ONU, Rebeca Grynspan, que coordenou o grupo de crise, disse que os preços do trigo caíram quase 50% em relação ao pico, os preços do milho e dos fertilizantes caíram quase 25% no mês passado e o petróleo bruto está agora em torno de US$ 93 o barril. em comparação com US$ 120 o barril em junho.

“Apenas o gás natural contrariou a tendência e ainda está mais alto do que há um mês”, disse ela a repórteres por vídeo de Genebra.

A queda dos preços é uma “boa notícia”, disse Grynspan, mas eles estão altos há muito tempo e, desde junho, as previsões de pobreza extrema aumentaram em 71 milhões de pessoas e as previsões de insegurança alimentar em 47 milhões.

Em outra recomendação importante, o grupo de crise insta os países desenvolvidos mais ricos, especialmente, a economizar energia, inclusive reduzindo o uso de ar condicionado e aquecimento e promovendo o transporte público “e soluções baseadas na natureza”.

Guterres disse que novas tecnologias, incluindo armazenamento de baterias, “devem se tornar bens públicos”, e os governos devem ampliar e diversificar as cadeias de fornecimento de matérias-primas e tecnologias de energia renovável.

O grupo também recomenda aumentar o financiamento privado e multilateral para “a transição para a energia verde”.

E apoiou a meta da Agência Internacional de Energia de aumentar os investimentos em energia renovável por um fator de sete para atingir a meta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa para “zero líquido” até 2050 para ajudar a conter as mudanças climáticas provocadas pelo homem.

“Hoje, os países em desenvolvimento estão gastando cerca de US$ 150 bilhões em energia limpa”, disse Grynspan, secretária-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento.

“Eles precisam gastar US$ 1 trilhão em investimentos.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.