Chefe da ONU alerta para crise alimentar e ‘esperançoso’ com acordo de grãos na Ucrânia


O chefe das Nações Unidas alertou para uma crise alimentar global, mas disse que está em “contatos intensos” com a Rússia e outros países-chave e está “esperançoso” em um acordo para aliviar o problema.

O secretário-geral, Antonio Guterres, disse esperar que isso permita a exportação de grãos armazenados nos portos ucranianos e garanta que alimentos e fertilizantes russos tenham acesso irrestrito aos mercados globais.

Mas ele também disse em uma reunião ministerial sobre a escalada da crise de segurança alimentar, que foi exacerbada pela guerra na Ucrânia, que “ainda há um longo caminho a percorrer”.

“As complexas implicações econômicas, financeiras e de segurança exigem boa vontade de todos os lados para que um pacote seja alcançado”, disse ele sobre suas discussões com Moscou, Ucrânia, Turquia, EUA, UE e outros. “Não vou entrar em detalhes porque declarações públicas podem minar as chances de sucesso.”


Secretário-Geral Antonio Guterres (presidente ucraniano Press/PA)

Guterres disse que os níveis globais de fome “estão em um novo recorde”, com o número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar grave dobrando em apenas dois anos, de 135 milhões antes da pandemia para 276 milhões hoje. Ele disse que mais de 500.000 pessoas estão vivendo em condições de fome – um aumento de mais de 500% desde 2016.

Ele disse que a Ucrânia e a Rússia juntas produzem quase um terço do trigo e da cevada do mundo e metade de seu óleo de girassol, enquanto a Rússia e sua aliada Bielorrússia são os dois e três produtores mundiais de potássio, um ingrediente-chave do fertilizante.

“Não há solução efetiva para a crise alimentar sem reintegrar a produção de alimentos da Ucrânia, assim como os alimentos e fertilizantes produzidos pela Rússia e pela Bielorrússia, nos mercados mundiais, apesar da guerra”, disse ele.

O secretário-geral disse que a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro está “amplificando e acelerando” os motores da insegurança alimentar e da fome global – mudanças climáticas, Covid-19 e desigualdade.


O conflito fechou os portos do Mar Negro da Ucrânia (AP)

O conflito fechou os portos ucranianos do Mar Negro, interrompendo as exportações de alimentos para muitos países em desenvolvimento, disse Guterres que, durante sua recente visita à região africana do Sahel, conheceu famílias que não sabiam de onde viria sua próxima refeição.

David Beasley, chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU, alertou que “a falha em abrir os portos será uma declaração de guerra à segurança alimentar global, resultando em fome e desestabilização das nações, bem como migração em massa por necessidade”.

“Isso não é apenas sobre a Ucrânia”, disse ele. “Trata-se dos mais pobres dos pobres ao redor do mundo que estão à beira da fome enquanto falamos. Por isso, peço ao presidente (russo) (Vladimir) Putin, se você tiver algum coração, por favor, abra esses portos… para que possamos alimentar os mais pobres dos pobres e evitar a fome, como fizemos no passado, quando nações nesta sala se uniram”.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que presidiu a reunião convocada pelos Estados Unidos, disse que o mundo está enfrentando “a maior crise global de segurança alimentar do nosso tempo”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.