Canadá forma comitê consultivo para deliberar sobre nova estratégia do Indo-Pacífico | Noticias do mundo


TORONTO: À medida que o Canadá continua a trabalhar em uma estratégia renovada do Indo-Pacífico, anunciou a formação de um comitê consultivo que é “incumbido de fornecer perspectivas e recomendações independentes”.

O comitê é composto por três copresidentes, 11 membros e três assessores dos copresidentes.

Os co-presidentes incluem Janice Gross Stein, uma eminente especialista em assuntos globais e diretora fundadora da Munk School of Global Affairs and Public Policy da Universidade de Toronto. Também está presente Pierre Pettigrew, ex-ministro das Relações Exteriores. O terceiro co-presidente é Farah Mohamed, de origem indiana, diretor de operações da Forest Trust Corporation do Canadá.

Os membros incluem Frank McKenna, ex-embaixador canadense nos Estados Unidos e ex-líder do Partido Conservador Rona Ambrose. Também está incluído Kasi Rao, originário da Índia, e atualmente diretor administrativo da Fairfax Consulting Services India Ltd, uma empresa canadense focada em oportunidades de investimento na Índia. Anteriormente, ele foi presidente e diretor executivo do Conselho Empresarial Canadá-Índia.

Também aparece na lista Dominic Barton, ex-embaixador canadense na China e ex-vice-comandante da Força Aérea Real Canadense, major-general (aposentado) Tammy Harris.

Ao fazer o anúncio da formação do comitê consultivo, a ministra das Relações Exteriores, Melanie Joly, disse: “Nas próximas décadas, os desenvolvimentos na região do Indo-Pacífico terão impactos profundos na vida dos canadenses de costa a costa. Nossa intenção é clara: o Canadá está comprometido em fortalecer nossa presença e aprofundar nossas parcerias em toda a região do Indo-Pacífico.”

Um comunicado do Global Affairs Canada, o Ministério das Relações Exteriores do país, disse que o Canadá “reconhece que a região do Indo-Pacífico é criticamente importante para a prosperidade, saúde e segurança de longo prazo dos canadenses”.

“Vivemos em um mundo com ameaças crescentes à estabilidade global. Para o benefício tanto do povo da região quanto dos canadenses, o Canadá está investindo ativamente na região do Indo-Pacífico para apoiar um Indo-Pacífico livre, aberto e inclusivo que contribua para uma ordem internacional baseada em regras”, acrescentou.

A estratégia do Indo-Pacífico está em consideração desde 2019 e o atraso tem enfrentado críticas, pois a realidade do Canadá foi ignorada na formação de dois grupos recentes focados na região: AUKUS, o acordo de segurança trilateral entre os EUA, o Reino Unido e Austrália, que surgiu no ano passado, e o mais recente Fórum Econômico Indo-Pacífico para a Prosperidade (IPEF), formado no mês passado, e inclui Índia, EUA, Austrália, Nova Zelândia, Coréia do Sul, Cingapura, Indonésia, Filipinas, Vietnã, Tailândia e Japão, entre outras nações.

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau discutiu a região durante uma reunião bilateral com o presidente dos EUA, Joe Biden, em Los Angeles na quinta-feira. Uma leitura emitida pelo gabinete do primeiro-ministro canadense afirmou que eles falaram de “seu compromisso mútuo em aumentar a colaboração em segurança regional e boa governança na região do Indo-Pacífico e em relação às suas respectivas relações com a China”.

Também na agenda esteve o anúncio do Canadá em maio “que pretende implementar uma nova estrutura de segurança de telecomunicações e proibir a inclusão de produtos e serviços da Huawei e da ZTE nas redes 5G do Canadá”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.