BRI perde força, sem novos investimentos chineses pós-pandemia de Covid | Noticias do mundo


Nove anos depois de ter sido lançada pelo presidente Xi Jinping, a Belt Road Initiative (BRI) parece ter perdido força com praticamente nenhum novo investimento chinês em países terceiros pós-pandemia de Covid.

Enquanto uma parte dos observadores de Pequim acredita que este é um indicador do golpe que a economia chinesa sofreu durante a pandemia e como resultado de sua política de zero Covid, o BRI parece estar sendo revalorizado com os países receptores cautelosos com a armadilha da dívida e sua viabilidade econômica.

O ministro das Finanças de Bangladesh, AHM Mustafa Kamal, culpou publicamente os projetos chineses da BRI economicamente inviáveis ​​por exacerbar a crise econômica no Sri Lanka. Ele alertou que os países em desenvolvimento devem pensar duas vezes antes de tomar mais empréstimos por meio do BRI, já que a inflação global e a desaceleração do crescimento aumentam as pressões sobre os mercados emergentes endividados.

“Todo mundo está culpando a China. A China não pode discordar. É responsabilidade deles”, disse Kamal em entrevista ao Financial Times. Bangladesh deve cerca de 6% de sua dívida externa à China e buscou um empréstimo de US$ 4,5 bilhões do FMI no mês passado para superar a crise econômica.

O fato é que Bangladesh deixou claro para a China que não está disposto a aceitar mais empréstimos, mas apenas doações de Pequim. O mesmo tom foi tomado pelo Nepal quando a armadilha da dívida chinesa se aproxima e o colapso econômico do Sri Lanka, que deve 10 por cento de sua dívida externa de US$ 51 bilhões a Pequim, tornou-se um exemplo clássico. O elefante branco do porto de Hambantota, no Sri Lanka, está agora sob arrendamento chinês de 99 anos após 2017, sob dívida por troca de ações com mais de um bilhão de dólares do aeroporto internacional Rajapaksa.

Outro país que está sofrendo com a dívida chinesa é o Paquistão, com cerca de US$ 53 bilhões sendo gastos por Pequim sob a égide da BRI em projetos que estão longe de ser concretizados. Anunciado como uma importante iniciativa estratégica entre os aliados do “leite e mel”, o porto de Gwadar, na costa de Makran, ainda não está completo, com insurgentes balúchis ficando inquietos a cada dia e atacando o exército paquistanês e até os trabalhadores chineses.

O porto de Gwadar, que foi anunciado como uma alternativa a Dubai e ao futuro econômico do Paquistão, está se transformando rapidamente em uma pedra de moinho no pescoço de Islamabad. Atualmente, o país está buscando um resgate multibilionário do FMI com reservas em moeda estrangeira esgotadas, inflação de alimentos e combustível de dois dígitos – um golpe duplo da pandemia de Covid e da guerra na Ucrânia.

De fato, a penetração chinesa no subcontinente indiano aumentou a um nível em que a burocracia e a mídia foram comprometidas e trabalhando contra seu próprio país.

Depois do Paquistão, a China investiu cerca de US$ 44 bilhões na Indonésia, US$ 41 bilhões em Cingapura, US$ 39 bilhões na Rússia, US$ 33 bilhões na Arábia Saudita e US$ 30 bilhões na Malásia. Pequim fez investimentos maciços no Camboja por causa dos quais os países da ASEAN são espectadores mudos das mudanças unilaterais da China no Mar da China Meridional e da guerra contra Taiwan.

O clamor contra o BRI chinês não se limita apenas ao subcontinente indiano, pois suas reverberações podem ser ouvidas no projeto ferroviário de US $ 4,7 bilhões no Quênia. Cinco anos desde o seu lançamento, o projeto termina abruptamente em um campo vazio, a 200 milhas de seu destino em Uganda. O BRI está virando rapidamente uma estrada para lugar nenhum.

  • SOBRE O AUTOR

    Autor de Indian Mujahideen: The Enemy Within (2011, Hachette) e Himalayan Face-off: Chinese Assertion and Indian Riposte (2014, Hachette). Recebeu o Prêmio K Subrahmanyam de Estudos Estratégicos em 2015 pelo Instituto Manohar Parrikar de Estudos e Análises de Defesa (MP-IDSA) e o Prêmio Ben Gurion de 2011 por Israel.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.