Brasil diz que vacina russa Covid carregava vírus vivo do resfriado


Lotes contaminados da vacina russa Sputnik V Covid enviada ao Brasil carregavam uma versão viva de um vírus causador de resfriado comum, informou o órgão regulador de saúde do país sul-americano em uma apresentação explicando sua decisão de proibir a importação do medicamento.

A virologista Angela Rasmussen disse à AFP que a descoberta “levanta questões sobre a integridade dos processos de fabricação” e pode ser um problema de segurança para pessoas com sistema imunológico mais fraco, se o problema for generalizado.

O Instituto Gamaleya da Rússia, que desenvolveu a vacina, negou os relatórios.

A questão gira em torno de um “vetor de adenovírus” – um vírus que normalmente causa doença respiratória leve, mas nas vacinas é geneticamente modificado para que não possa se replicar e editado para transportar as instruções de DNA para células humanas desenvolverem a proteína spike do coronavírus.

Isso, por sua vez, treina o sistema humano para ser preparado caso encontre o coronavírus real.

A vacina Sputnik V usa dois vetores de adenovírus diferentes para realizar essa tarefa: adenovírus tipo 26 (Ad26) para a primeira injeção e adenovírus tipo 5 (Ad5) para a segunda injeção.

De acordo com um slideshow carregado online, cientistas da Anvisa, a agência reguladora do Brasil, disseram que testaram amostras da injeção de reforço e descobriram que era “competente para replicação” – o que significa que uma vez dentro do corpo, o adenovírus pode continuar a se multiplicar.

Eles acrescentaram que isso provavelmente ocorreu por causa de um problema de fabricação chamado “recombinação”, em que o adenovírus modificado ganhou de volta os genes necessários para se replicar enquanto estava sendo cultivado dentro de células humanas modificadas em um laboratório.

Os reguladores brasileiros não avaliaram o primeiro tiro.

Rasmussen, um cientista pesquisador da Organização de Doenças Infecciosas e Vacinas do Canadá, descreveu o erro como uma questão de controle de qualidade, ao invés de um problema inerente à tecnologia.

Se os lotes usados ​​no mundo real estivessem contaminados, “para a maioria das pessoas isso provavelmente não será um grande problema, porque os adenovírus geralmente não são considerados patógenos humanos realmente importantes”, disse ela.

“Mas em pessoas com imunidade comprometida … pode haver uma taxa maior de efeitos adversos por causa disso, incluindo os potencialmente graves.”

O maior problema, acrescentou ela, foi o infeliz impacto sobre a confiança em relação a uma vacina que um estudo no jornal The Lancet mostrou ser segura e mais de 90 por cento eficaz.

Se as pessoas não têm certeza de que a vacina que estão recebendo é a mesma que foi estudada nos testes, “posso imaginar que algumas pessoas possam ter suas reservas sobre receber essa vacina”, disse Rasmussen.

Outra incógnita é se o problema de fabricação que levou ao vetor de adenovírus a ser capaz de se replicar também destruiu o código de DNA da proteína spike – tornando a injeção ineficaz como vacina contra o coronavírus.

Denis Logunov, vice-diretor do Instituto Gamaleya, respondeu dizendo: “As declarações que li na imprensa não têm nada a ver com a realidade” e que o vetor do adenovírus não foi capaz de se replicar.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.