Bolsonaro rejeita bloqueio apesar do recorde brasileiro de mortalidade Covid-19

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse que “não haverá bloqueio nacional” um dia depois de o país ter visto o maior número de mortes de Covid-19.

O Ministério da Saúde do Brasil registrou 4.195 mortes na terça-feira, tornando-se o terceiro país a ultrapassar esse limite, já que os oponentes políticos de Bolsonaro exigiram medidas mais rígidas para reduzir a propagação do vírus.

“Não vamos aceitar essa política de ficar em casa e fechar tudo”, disse Bolsonaro, resistindo à pressão em um discurso na cidade de Chapecó, no estado de Santa Catarina. “Não haverá bloqueio nacional.”

Uma mulher joga uma flor sobre o túmulo de um parente que morreu de complicações relacionadas à Covid-19 (Andre Penner / AP)

O presidente conservador do Brasil também defendeu o uso dos chamados protocolos de tratamento precoce, que incluem o medicamento anti-malária hidroxicloroquina.

Nenhum estudo científico descobriu que a droga é eficaz para prevenir ou tratar Covid-19.

“Não existe vacina suficiente hoje no mundo. Precisamos encontrar alternativas ”, disse ele.

O número de mortes em Chapecó ligadas ao vírus finalmente diminuiu depois de algumas semanas muito difíceis.

As unidades de terapia intensiva ultrapassaram a capacidade, obrigando as autoridades a transferirem pacientes infectados para hospitais de outros estados.

No mês passado, a cidade implementou algumas restrições à economia por duas semanas, mas Bolsonaro atribuiu o sucesso recente de Chapecó ao uso de protocolos de tratamento precoce, informou o jornal Estadão.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tem sido criticado (Eraldo Peres / AP)

Em carta aberta publicada nesta terça-feira no jornal O Globo, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, que tem cerca de 20 mil associados, pediu um bloqueio nacional de três semanas.

“A grave situação epidemiológica que está levando ao colapso do sistema de saúde em vários estados exige a adoção imediata, sem hesitação, de medidas restritivas estritas”, diz o comunicado.

As unidades de terapia intensiva na maioria dos estados brasileiros têm uma taxa de ocupação acima de 90%, embora os números tenham ficado estáveis ​​na última semana.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *