Biden chega ao Reino Unido antes da cúpula do G7


O presidente dos EUA, Joe Biden, chegou ao Reino Unido em sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo, uma missão de oito dias para reconstruir os laços transatlânticos tensos durante a era Trump e para reformular as relações com a Rússia.

A viagem testa a capacidade do presidente democrata de administrar e consertar relacionamentos com os principais aliados que se desencantaram com as tarifas comerciais do então presidente Donald Trump e com a retirada dos tratados.

“Será que as alianças e instituições democráticas que moldaram grande parte do século passado provarão sua capacidade contra as ameaças e adversários modernos? Acredito que a resposta é sim. E nesta semana na Europa, temos a chance de provar isso”, disse Biden disse em um artigo publicado no Washington Post.

Biden disse a repórteres ao deixar os Estados Unidos pela Europa que seus objetivos eram “fortalecer a aliança, deixando claro para Putin e para a China que a Europa e os Estados Unidos são unidos”.

Sua cúpula com o presidente russo Vladimir Putin em 16 de junho em Genebra é o ápice da viagem, uma oportunidade de levantar as preocupações dos EUA diretamente com Putin sobre ataques de ransomware vindos da Rússia, a agressão de Moscou contra a Ucrânia e uma série de outras questões.

‘Não estou procurando conflito’

Falando às tropas americanas baseadas na base da Força Aérea Real em Mildenhall, com uma enorme bandeira americana atrás dele, Biden definiu um tom duro para seu encontro com Putin, dizendo que iria “deixá-lo saber o que eu quero que ele saiba”.

“Não estamos buscando conflito com a Rússia”, disse Biden, acrescentando que os Estados Unidos desejam uma relação estável e previsível com a Rússia, mas que “responderão de forma robusta e significativa se o governo russo se envolver em atividades prejudiciais”.

Força Aérea Um chegando à RAF Mildenhall em Suffolk na noite de quarta-feira. Imagem: PA

Ele também vem à Europa com um gesto de boa vontade, o anúncio planejado de que os EUA vão comprar e doar 500 milhões de doses da vacina Pfizer Covid-19 para cerca de 100 países nos próximos dois anos, disseram três fontes familiarizadas com o assunto. Os EUA enfrentaram críticas por garantir o acesso a grande parte do estoque inicial das vacinas mais promissoras.

O Sr. Biden fará sua primeira parada da viagem na vila costeira de St. Ives, na Cornualha, onde participará da cúpula do G7. Espera-se que a reunião seja dominada pela diplomacia de vacinas, comércio, clima e uma iniciativa para reconstruir a infraestrutura no mundo em desenvolvimento. As autoridades americanas veem esse esforço como uma forma de conter a crescente influência da China.

‘Relacionamento especial’

Biden terá uma reunião com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson na quinta-feira na Cornualha, uma chance de renovar o chamado ‘relacionamento especial’ entre os EUA e o Reino Unido após o rompimento do Reino Unido com a UE.

Eles irão emitir uma declaração conjunta de princípios atualizada entre os dois países em homenagem à Carta do Atlântico original de 1941.

Mas os dois homens têm questões políticas profundas para discutir, com Biden definido para reforçar o forte apoio dos EUA ao Acordo de Belfast de 1998, de acordo com o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca Jake Sullivan.

Biden e Johnson também discutirão as mudanças climáticas, uma proposta para conter a influência global da China na infraestrutura e na retirada das tropas ocidentais do Afeganistão.

Após três dias de cúpula do G7, Biden e sua esposa, Jill, visitarão a rainha Elizabeth da Grã-Bretanha no Castelo de Windsor. Biden, de 78 anos, conheceu a rainha em 1982, quando era senador dos Estados Unidos.

Rússia e China

Biden então viaja a Bruxelas para conversas com líderes da OTAN e da UE. A agenda deverá ser dominada pela Rússia, China e a questão perene de fazer com que os aliados da OTAN contribuam mais para a defesa comum.

Mundo

Biden tem preocupações ‘muito profundas’ sobre Brexit e Ire …

Biden encerra a viagem a Genebra para o que pode ser o encontro mais difícil da semana – uma sessão com Putin, que manteve relações amigáveis ​​com Trump.

Sullivan disse a repórteres que Biden espera que suas reuniões do G7 e da Otan reforcem um sentimento de unidade aliada quando ele entrar em sua sessão com Putin, onde pressionará o presidente russo sobre uma série de queixas dos EUA.

Nenhum grande avanço é esperado da cúpula. Questionado por repórteres se seu encontro com Putin renderia algum acordo sobre segurança cibernética, Biden não se comprometeu.

“Quem sabe?” disse o Sr. Biden. “Vai ser um assunto da nossa discussão.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.