Bases dos EUA no Iraque atingidas por mísseis, enquanto o Irã revida após a morte de general


O Irã revidou os Estados Unidos por matar um comandante da Guarda Revolucionária, disparando mísseis balísticos em duas bases militares no Iraque que abrigam tropas americanas.

O ataque foi uma grande escalada entre os dois inimigos de longa data e o ataque mais direto do Irã aos EUA desde a apreensão da embaixada dos EUA em Teerã, em 1979.

A TV estatal iraniana disse que estava em vingança pelo assassinato do general Qassem Soleimani nos EUA, cuja morte na semana passada em um ataque de drone americano perto de Bagdá provocou ligações furiosas para vingar sua morte.

Autoridades norte-americanas e iraquianas disseram que não houve relatos imediatos de vítimas, embora os edifícios ainda estejam sendo revistados. O governo iraquiano confirmou mais tarde que não havia vítimas entre as forças iraquianas.

Mais tarde, um apresentador da televisão estatal iraniana alegou, sem oferecer provas, que os ataques mataram “pelo menos 80 soldados terroristas dos EUA” e também danificaram helicópteros, drones e outros equipamentos na base aérea de Ain al-Asad.

Os ataques, que ocorreram quando o Irã enterrou o general Soleimani, levantaram temores de que os dois inimigos estivessem mais próximos da guerra. Mas havia algumas indicações de que não haveria retaliação adicional de nenhum dos lados, pelo menos no curto prazo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, twittou “Está tudo bem!” Logo após os ataques com mísseis, acrescentando “Até agora, tudo bem” em relação às vítimas.

Momentos antes, o ministro das Relações Exteriores do Irã twittou que Teerã havia tomado e “concluído medidas proporcionais em legítima defesa”, acrescentando que Teerã “não buscava escalada”, mas se defenderia de novas agressões.

Em Teerã, o líder supremo aiatolá Ali Khamenei classificou o ataque com mísseis nas bases americanas no Iraque como um “tapa na cara” dos americanos, acrescentando que a retaliação militar não é suficiente.

“A presença corrupta dos EUA na região deve acabar”, disse ele.

O assassinato do general Soleimani – um herói nacional para muitos no Irã – e os ataques de Teerã ocorreram quando as tensões aumentaram constantemente no Oriente Médio após a decisão de Trump de retirar unilateralmente a América do acordo nuclear de Teerã com as potências mundiais.

Eles também marcaram a primeira vez nos últimos anos que Washington e Teerã se atacaram diretamente, e não por procuradores na região.

Isso aumentou as chances de um conflito aberto entre os dois inimigos, que estão em desacordo desde a Revolução Islâmica do Irã em 1979 e a subsequente tomada de embaixada dos EUA e a crise dos reféns.

Além do caos, um avião ucraniano com pelo menos 170 pessoas caiu após decolar nos arredores de Teerã na manhã de quarta-feira, matando todos a bordo, informou a TV estatal.

O avião decolou do Aeroporto Internacional Imam Khomeini e suspeita de problemas mecânicos, segundo o relatório.

O Irã anunciou inicialmente apenas um ataque com mísseis, mas as autoridades americanas confirmaram os dois. As autoridades de defesa dos EUA estavam na Casa Branca, provavelmente para discutir opções com Trump, que lançou o ataque ao general Soleimani enquanto enfrentava um próximo julgamento de impeachment no Senado.

Estamos alertando todos os aliados americanos, que deram suas bases ao seu exército terrorista, de que qualquer território que é o ponto de partida de atos agressivos contra o Irã será alvo

A Guarda Revolucionária do Irã alertou os EUA e seus aliados regionais contra a retaliação sobre o ataque de mísseis à base aérea de Ain al-Asad, na província de Anbar, no oeste do Iraque. A Guarda emitiu o alerta por meio de comunicado divulgado pela agência de notícias estatal IRNA do Irã.

“Estamos alertando todos os aliados americanos, que deram suas bases ao seu exército terrorista, de que qualquer território que é o ponto de partida de atos agressivos contra o Irã será alvo”, disse a Guarda. Também ameaçou Israel.

Após os ataques, um ex-negociador nuclear iraniano postou uma foto da bandeira da República Islâmica no Twitter, parecendo imitar Trump, que postou uma bandeira americana após o assassinato do general Soleimani.

A base aérea de Ain al-Asad foi usada pela primeira vez pelas forças americanas após a invasão liderada pelos EUA em 2003, que derrubou o ditador Saddam Hussein, e mais tarde viu tropas americanas estacionadas ali em meio à luta contra o chamado grupo do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Abriga cerca de 1.500 forças dos EUA e da coalizão. Os EUA também reconheceram outro ataque de míssil contra uma base em Irbil, na região curda semi-autônoma do Iraque.

Ao avaliarmos a situação e nossa resposta, tomaremos todas as medidas necessárias para proteger e defender o pessoal, parceiros e aliados dos EUA na região.

Os iranianos dispararam um total de 15 mísseis, disseram duas autoridades americanas. Dez atingiram Ain al-Asad e um a base em Irbil. Quatro falharam, disseram os funcionários.

Dois oficiais de segurança iraquianos disseram que pelo menos um dos mísseis parecia ter atingido um avião na base de Ain al-Asad, acendendo um incêndio.

Cerca de 70 soldados noruegueses também estavam na base aérea, mas não foram registrados feridos, disse Brynjar Stordal, porta-voz das Forças Armadas da Noruega.

Trump visitou a extensa base aérea de Ain al-Asad, cerca de 100 quilômetros a oeste de Bagdá, em dezembro de 2018, fazendo sua primeira visita presidencial às tropas na região. O vice-presidente Mike Pence também visitou a base.

“Ao avaliarmos a situação e nossa resposta, tomaremos todas as medidas necessárias para proteger e defender o pessoal, parceiros e aliados dos EUA na região”, disse Jonathan Hoffman, assistente do secretário de Defesa dos EUA.

Os ataques com mísseis aconteceram algumas horas depois que multidões no Irã lamentaram o general Soleimani em seu funeral.

Também ocorreu quando os EUA continuaram a reforçar suas próprias posições na região e alertaram para uma ameaça não especificada ao transporte do Irã nas vias navegáveis ​​do Oriente Médio, rotas cruciais para o suprimento global de energia.

Os presentes se reúnem para prestar homenagem ao general Qassem Soleimani (Iran Press via AP)“/>
Os presentes se reúnem para prestar homenagem ao general Qassem Soleimani (Iran Press via AP)

As embaixadas e consulados dos EUA da Ásia na África e na Europa emitiram alertas de segurança para os americanos.

Um tumulto eclodiu na terça-feira no funeral do general Soleimani, e pelo menos 56 pessoas foram mortas e mais de 200 ficaram feridas, disseram notícias iranianas. Logo após o ataque com mísseis, os restos envoltos em mortalha do general Soleimani foram jogados no chão.

O tumulto mortal ocorreu na cidade natal do general Soleimani, Kerman, quando seu caixão estava sendo levado pela cidade no sudeste do Irã, disse Pirhossein Koulivand, chefe dos serviços médicos de emergência do Irã.

Hossein Salami, sucessor do general Soleimani como líder da Guarda Revolucionária, já se dirigiu a uma multidão de apoiadores em Kernan e prometeu vingar o general Soleimani.

“Dizemos aos nossos inimigos que vamos retaliar, mas se eles tomarem outra ação, incendiaremos os lugares que eles gostam e são apaixonados”, disse ele.

As procissões fúnebres nas principais cidades ao longo de três dias foram uma honra sem precedentes para o general Soleimani, visto pelos iranianos como um herói nacional por seu trabalho na liderança da Força Expedicionária da Guarda Quds.

Os EUA o culpam por matar tropas americanas no Iraque e o acusaram de planejar novos ataques pouco antes de ele ser morto.

O general Soleimani também liderou forças que apóiam o presidente sírio Bashar Assad na guerra civil daquele país. O presidente russo, Vladimir Putin, se encontrou com Assad na Síria na terça-feira, em meio às tensões entre Washington e Teerã.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.