Autoridades de Mianmar abrem novos casos de corrupção contra a líder deposta Aung San Suu Kyi | Noticias do mundo

As autoridades de Mianmar abriram novos casos de corrupção contra a líder deposta Aung San Suu Kyi, acusando-a de abusar de sua autoridade e aceitar subornos, informou a mídia estatal na quinta-feira, alegando que seu advogado-chefe disse ser “absurdo”.

Os casos são os mais recentes de uma série movida contra o líder eleito Suu Kyi, 75, cuja derrubada em um golpe de 1º de fevereiro mergulhou Mianmar no caos, com protestos diários, greves e agitação em regiões distantes que milícias anti-junta disseram ter tirou a vida de 37 soldados na quinta-feira.

A mídia controlada pela Junta citou a Comissão Anticorrupção dizendo que os novos casos contra Suu Kyi estavam relacionados ao uso indevido de terras para a caridade Daw Khin Kyi Foundation, que ela presidia e que aceitava ilegalmente US $ 600.000 e 11,4 kg de ouro.

“Ela foi considerada culpada de cometer corrupção usando seu posto. Então ela foi acusada de acordo com a seção 55 da Lei Anticorrupção”, disse o porta-voz da junta, a Nova Luz Global de Mianmar.

As violações dessa lei são puníveis com até 15 anos de prisão.

O principal advogado de Suu Kyi disse que, tanto quanto tinha conhecimento, as investigações de corrupção continuavam e não estavam perante nenhum tribunal.

Ele descreveu as acusações como “absurdas”.

“Ela pode ter defeitos, mas ganância pessoal e corrupção não são seus traços. Aqueles que a acusam de ganância e corrupção estão cuspindo para o céu”, disse Khin Maung Zaw em uma mensagem à Reuters.

A Fundação Daw Khin Kyi foi criada em nome da falecida mãe de Suu Kyi para ajudar a desenvolver educação, saúde e bem-estar em Mianmar, um dos países mais pobres da Ásia.

Os casos que Suu Kyi já enfrentou vão desde a violação dos protocolos do coronavírus durante uma campanha e a posse ilegal de rádios walkie-talkie até a violação da Lei de Segredos Oficiais. Seus apoiadores dizem que os casos têm motivação política.

O exército diz que assumiu o poder pela força porque o partido de Suu Kyi trapaceou nas eleições de novembro, uma acusação rejeitada pela comissão eleitoral anterior e monitores internacionais.

Ataques de guerrilha

O esforço diplomático para encontrar uma saída para a crise de Mianmar ainda não deu frutos, com o ministro das Relações Exteriores do Japão, Motegi Toshimitsu, o último a pedir a implementação de um consenso de cinco pontos alcançado pelos líderes do sudeste asiático em abril, centrado no diálogo multipartidário e no fim violência

As Nações Unidas, os países ocidentais e a China apóiam o esforço do Sudeste Asiático para mediar a crise, mas a junta deu pouca atenção a isso e, em vez disso, elogiou o progresso de seu próprio plano de cinco etapas em direção a uma nova eleição.

Mas o exército não conseguiu estabelecer o controle, com a resistência pacífica e violenta paralisando a economia e os ataques da guerrilha contra as forças de segurança nas fronteiras enfrentadas por artilharia e ataques aéreos, inclusive em áreas civis.

Os confrontos se intensificaram entre os militares e as recém-formadas Forças de Defesa Popular, uma das quais disse na quinta-feira que matou 17 soldados do governo em uma batalha no estado de Chin, na fronteira com a Índia.

Outro, a Força de Defesa de Chinland, em sua página no Facebook, disse que seus combatentes também mataram 10 soldados perto de Hakha e emitiu um pedido à junta para libertar todas as pessoas detidas no estado de Chin, ou enfrentariam uma reação mais violenta.

Na região de Sagaing, milícias emboscaram cinco veículos militares, matando 10 soldados, informou o site de notícias Irrawaddy, citando moradores.

A Reuters não foi capaz de verificar as alegações de forma independente e um porta-voz militar não respondeu às ligações pedindo comentários. A MRTV estatal não fez menção aos incidentes em seu noticiário noturno.

Os combates no nordeste e noroeste de Mianmar forçaram mais de 100 mil pessoas a fugir, de acordo com as Nações Unidas, algumas para os estados indianos de Mizoram, Manipur e Nagaland, onde as autoridades temem que combatentes pró-democracia possam ter se juntado aos refugiados.

Separadamente, na quinta-feira, um avião militar caiu perto da segunda maior cidade de Mianmar, Mandalay, matando 12 pessoas, disse o serviço de bombeiros da cidade. Não houve indicação imediata de que o acidente estava relacionado à crise.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *