Artigos científicos defeituosos alimentando desinformação da Covid-19 | Noticias do mundo


Estudos científicos com metodologia pobre e descobertas imprecisas estão exacerbando a crise de desinformação da Covid-19 que desestimula a vacinação e coloca vidas em risco.

O intenso interesse público no debate pandêmico e polêmico nos Estados Unidos sobre como abordá-lo facilita a disseminação de artigos de pesquisa falhos online, inclusive por oponentes da vacina. E mesmo que um estudo seja retirado, é tarde demais.

“Uma vez que o artigo é publicado, o dano é irrevogável”, disse Emerson Brooking, pesquisador sênior residente no Laboratório de Pesquisa Forense Digital do Atlantic Council, que se concentra em identificar e expor desinformação.

Documentos falhos “têm sido o combustível do fogo para os céticos da Covid-19 e teóricos da conspiração. Eles são frequentemente objeto de atividade viral online. Suas descobertas são filtradas em artigos obscenos e enganosos de sites marginais”, disse Brooking à AFP.

Informações imprecisas sobre vacinas são especialmente perigosas em um momento em que a absorção das vacinas diminuiu nos Estados Unidos, onde as autoridades de saúde dizem que quase todas as mortes recentes de Covid-19 ocorreram entre aqueles que não foram imunizados.

– ‘Dê um choque’ –

A revista médica Vaccines publicou um artigo revisado por pares no final de junho intitulado “A segurança das vacinações da Covid-19 – devemos repensar a política”. Ele concluiu que os disparos do Covid-19 estavam causando a morte de duas pessoas para cada três salvos – descobertas que rapidamente se espalharam nas redes sociais.

Um tweet do cientista e crítico de vacinas da Covid-19, Robert Malone, resumindo o artigo recebeu milhares de retuítes. Um vídeo no qual a analista conservadora Liz Wheeler discutiu o estudo – que ela disse “vai te deixar chocado” – foi visto mais de 250.000 vezes no Facebook.

Mas a Vaccines então retirou o artigo, dizendo que continha “vários erros que afetam fundamentalmente a interpretação das descobertas”.

Pelo menos quatro membros do conselho da Vaccines renunciaram como resultado da publicação do estudo, incluindo Katie Ewer, professora associada e imunologista sênior do Instituto Jenner da Universidade de Oxford.

“Deveríamos ter reconhecido que este artigo teria um grande impacto”, disse Ewer, que não esteve envolvido em sua publicação. “Que ninguém na revista percebeu isso … é muito preocupante, especialmente para uma revista dedicada às vacinas.”

O tweet de Malone sobre o jornal não está mais disponível, mas o vídeo de Wheeler ainda apareceu no Facebook semanas depois.

O Gateway Pundit, um site que frequentemente publica afirmações imprecisas, relatou no início do ano que um estudo da Universidade de Stanford concluiu que o uso de máscara, que as autoridades de saúde dos EUA recomendaram para ajudar a retardar a disseminação do Covid-19, é “ineficaz” e prejudicial.

– ‘Faça um trabalho melhor’ –

O estudo – “Máscaras na era Covid-19: uma hipótese de saúde” – foi posteriormente retirado pela revista Medical Hypotheses, que disse que citava seletivamente artigos publicados e incluía dados “não verificados”.

O artigo do Gateway Pundit – que foi compartilhado dezenas de milhares de vezes como um link ou captura de tela nas redes sociais – foi atualizado para dizer que o autor do estudo não era afiliado a Stanford, mas não mencionou a retratação.

Algumas das maiores revistas científicas, incluindo The Lancet e New England Journal of Medicine, retiraram artigos relacionados à crise do coronavírus, e até mesmo um número limitado de estudos defeituosos pode causar grandes danos online.

Os artigos científicos foram atraídos aos olhos do público de “uma forma sem precedentes”, então os especialistas devem “fazer um trabalho melhor” explicando seu trabalho para um público leigo que pode não ter as habilidades para avaliá-los, disse Maimuna Majumder, epidemiologista computacional da a Harvard Medical School.

“Nem todos os estudos que foram produzidos e amplamente compartilhados durante a pandemia foram cientificamente robustos”, disse Majumder.

“Isso é particularmente preocupante porque estudos mal executados provaram ser capazes de influenciar a tomada de decisão em nível individual durante a pandemia, incluindo aquelas relativas à vacinação.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.