Armênia diz que está pronta para trabalhar pelo cessar-fogo de Nagorno-Karabakh


A Armênia disse que trabalhará com a Rússia, os Estados Unidos e a França na renovação do cessar-fogo em Nagorno-Karabakh, já que o número de mortos aumentou no sexto dia de combates pelo enclave separatista no sul do Cáucaso.

O Azerbaijão, que está lutando contra as forças étnicas armênias em Nagorno-Karabakh, não respondeu a um pedido de cessar-fogo na quinta-feira pelos três países – co-presidentes do Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que medeia na crise.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, descartou negociações com a Armênia sobre Nagorno-Karabakh na terça-feira, e a Turquia, aliada do Azerbaijão, disse na quinta-feira que as três grandes potências não deveriam ter nenhum papel na promoção da paz.

Mais combates foram relatados durante a noite e ao longo de hoje. O ministério da defesa de Nagorno-Karabakh relatou 54 novas baixas militares, elevando o número de mortos entre suas forças para 158.

Onze civis morreram e mais de 60 ficaram feridos no enclave montanhoso, que faz parte do Azerbaijão, mas é administrado principalmente por habitantes de etnia armênia.

O gabinete do procurador do Azerbaijão disse que 20 civis foram mortos até agora e 55 ficaram feridos no bombardeio armênio. O Azerbaijão não informou sobre baixas entre suas forças militares.

Os confrontos estouraram no domingo entre o Azerbaijão e as forças étnicas armênias em Nagorno-Karabakh. O enclave não é reconhecido internacionalmente como independente e tem sido objeto de conflito desde o colapso da União Soviética em 1991.

A luta é mais séria do que em qualquer momento desde a guerra na década de 1990, na qual 30.000 pessoas foram mortas, e aumentou a preocupação com a estabilidade no sul do Cáucaso, uma região onde oleodutos transportam petróleo e gás azeri para os mercados mundiais.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que os líderes da União Europeia discutiram a crise em uma cúpula em Bruxelas e disseram que um cessar-fogo é necessário o mais rápido possível.

O Ministério das Relações Exteriores da Armênia disse que o país está “comprometido com a resolução do conflito por meios pacíficos”.

“Continuaremos a repelir inflexivelmente a agressão do Azerbaijão, mas, ao mesmo tempo, também estamos prontos para entrar em contato com os co-presidentes do Grupo de Minsk da OSCE em um cessar-fogo baseado nos acordos de 1994-1995”, disse o documento, referindo-se ao um cessar-fogo anterior.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, disse na quinta-feira que um cessar-fogo duradouro só poderia ser alcançado se os “ocupantes armênios” se retirassem de Nagorno-Karabakh. Aliyev disse que as demandas da Armênia sobre Nagorno-Karabakh são inaceitáveis.

“Todos são afetados”

O primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinyan, disse ao conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, Robert O’Brien, em uma conversa telefônica, que um cessar-fogo seria impossível a menos que “mercenários e terroristas” fossem removidos de Nagorno-Karabakh.

A França acusou a Turquia de enviar mercenários sírios ao pequeno enclave e a Rússia expressou preocupação com o suposto destacamento de combatentes da Síria e da Líbia. A Turquia e o Azerbaijão rejeitaram essas acusações.

Cada lado acusou o outro de montar novos ataques contra alvos civis hoje, incluindo disparos através de sua fronteira comum, que fica bem a oeste de Nagorno-Karabakh.

Uma guerra total em torno de Nagorno-Karabakh arriscaria atrair as potências regionais da Rússia, que tem uma base militar na Armênia majoritariamente cristã, e da Turquia, que disse que apoiará principalmente o Azerbaijão muçulmano.

Os civis em toda a região estão cada vez mais preocupados.

Cahanquba Quliyeva, uma arquiteta de 28 anos da capital do Azerbaijão, Baku, disse estar preocupada que seu marido e irmão sejam chamados para lutar.

“Só vimos isso nos filmes. E agora estamos passando por isso na vida real”, disse ela.

Em Yerevan, o tecnólogo alimentar Eduard Vlasyan (30) disse: “No momento, esta é uma guerra em grande escala. Se dermos Karabakh para eles, eles exigirão a Armênia na próxima vez.” -Reutadores



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.