Arábia Saudita e Egito embarcam em um longo caminho para reconstruir os laços com o Catar


A Arábia Saudita e o Egito começaram a lidar com questões espinhosas com o Catar para reconstruir os laços, facilitando uma disputa interárabe vista pelos Estados Unidos como beneficiando apenas o inimigo mútuo Irã, mas dois Estados do Golfo demoraram a seguir o exemplo prometido, dizem diplomatas.

Egito, Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos), Bahrein e Arábia Saudita romperam relações com o Catar em meados de 2017 por causa das acusações de que Doha apóia o terrorismo – uma ampla alusão aos movimentos islâmicos, uma acusação que nega.

Em janeiro, atendendo ao desejo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de restabelecer uma frente árabe unida contra o Irã, e ansiosa para impressionar o novo presidente Joe Biden, a Arábia Saudita declarou o fim do boicote ao Catar e disse que seus três aliados estavam a bordo.

Desde então, Riad e Cairo adotaram uma abordagem mais pragmática em relação ao Catar, agindo mais rápido do que os Emirados Árabes Unidos e Bahrein na retomada das relações diplomáticas com Doha. Todos, exceto Bahrein, restauraram as ligações comerciais e de viagens com o pequeno e rico estado do Golfo.

Oito diplomatas estrangeiros e duas fontes regionais informadas disseram que as negociações bilaterais entre o Catar e a Arábia Saudita e o Egito para resolver as diferenças pendentes estão progredindo.

Mas eles disseram que o diálogo com os Emirados Árabes Unidos avançou pouco e nem mesmo começou com o Bahrein.

A Arábia Saudita tomou a iniciativa de tentar consertar as barreiras com o Catar, já que o príncipe saudita Mohammed bin Salman queria reforçar sua posição com Biden, que sinalizou uma postura muito mais dura sobre o histórico de direitos humanos de Riade e o papel na guerra ruinosa do Iêmen. Outra motivação para Riad é estimular o investimento do Catar em projetos sauditas.

O Egito, que também deve se beneficiar comercialmente, quer ver se as negociações bilaterais podem entregar o que o boicote não conseguiu.

‘Gerenciamento de conflitos’

“É sobre as partes chegarem a um acordo para administrar o conflito, não para resolvê-lo”, disse James Dorsey, do Instituto de Estudos Internacionais e Oriente Médio de Cingapura, à Reuters.

O Catar manteve conversações no Kuwait com o Egito e os Emirados Árabes Unidos para definir uma agenda. Os ministros do Interior do Catar e do Egito falaram por telefone. As negociações com Riade continuam e o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita se reuniu com o emir governante do Catar em Doha neste mês.

“Nosso objetivo é que o Golfo trabalhe em equipe”, disse um funcionário do Departamento de Estado dos Estados Unidos à Reuters. “Estamos felizes com o progresso que eles fizeram … É uma reaproximação muito incipiente.”

As autoridades sauditas não responderam a um pedido de comentário, enquanto os Emirados Árabes Unidos se recusaram a comentar. Uma autoridade do Catar disse que o compromisso bilateral regular está em andamento, assim como as discussões sobre o status das relações diplomáticas.

Uma autoridade egípcia referiu-se aos comentários do ministro das Relações Exteriores Sameh Shoukry nesta semana, citando mensagens positivas do Catar, mas era muito cedo para fazer um julgamento final.

Problemas espinhosos

Os quatro estados árabes exigiram que o Qatar fechasse uma base militar turca, feche o canal de notícias livre Al Jazeera, corte as ligações com a Irmandade Muçulmana e rebaixe as relações com o Irã. Doha disse que não fará nada disso.

No topo da agenda de todas as negociações bilaterais está a cobertura da Al Jazeera da política do Oriente Médio, bem como a atividade geral da mídia social no Catar, ambas consideradas inflamadas pelos quatro, disseram três diplomatas e as duas fontes bem informadas.

Diplomatas disseram que a rede de TV financiada pelo Catar diminuiu sua cobertura da Arábia Saudita em um sinal positivo para a reconciliação, mas a deixou praticamente inalterada para o resto.

Cada país também tem pontos específicos na disputa que se desenrolou em conflitos na Líbia, no Iêmen e na Síria.

Os Emirados Árabes Unidos e o Egito se ressentem do apoio do Catar a grupos islâmicos, especialmente a Irmandade Muçulmana, proibida por todos os quatro estados.

Os estados do Golfo Árabe percebem o Islã político e a influência da Fraternidade, cujas doutrinas islâmicas sunitas desafiam o princípio do governo dinástico, como uma ameaça existencial. Alguns diplomatas dizem que isso não é uma preocupação agora para a Arábia Saudita.

Três fontes de segurança egípcias e um diplomata árabe disseram que Cairo quer que o Catar extradite membros procurados da Fraternidade e coopere na segurança, e pediu que isso seja resolvido.

Questionado sobre isso, o funcionário do Catar disse à Reuters: “Em nenhum momento houve discussões ou pedidos relativos à extradição de qualquer indivíduo no Catar.” Ele acrescentou que os pedidos que violem os direitos humanos serão rejeitados.

O diplomata árabe e uma das fontes regionais disseram que o Catar pediu ao Egito que libertasse um jornalista da Al Jazeera detido, o que o Cairo fez recentemente, e suspendeu a proibição de viagens de outros.

Animosidade fervente

Os Emirados Árabes Unidos, que têm rivalidade ideológica e regional com o grande produtor de petróleo e gás Catar, disseram que reconstruir a confiança levará tempo, embora o comércio tenha começado a ser retomado.

As relações continuam atoladas em animosidade e diferenças geopolíticas, incluindo sobre a presença de apoio islâmico da Turquia na região, disseram diplomatas e fontes bem informadas.

“Essas divisões ideológicas e políticas não vão desaparecer da noite para o dia”, disse Kristin Diwan, pesquisadora residente sênior do Instituto dos Estados do Golfo Árabe em Washington.

“Ainda assim, há sinais de que ambos os lados estão cansados ​​da proliferação de batalhas e mais dispostos a reduzir as perdas, especialmente após a pandemia do coronavírus.”

Com o Bahrein não há sinais de progresso. Manama recentemente criticou Doha por causa da cobertura noticiosa da Al Jazeera e uma disputa pelos direitos de pesca. Em um comunicado, o Bahrein exigiu que Doha mostre “políticas mais construtivas” antes de qualquer negociação.

Bahrein, uma monarquia muçulmana sunita com uma maioria muçulmana xiita irrequieta, está profundamente preocupada com as boas relações do Catar governado por sunitas com a grande potência xiita do Irã, bem como com as disputas territoriais com Doha.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.