Últimas

África Austral conta vítimas ‘terríveis’ do ciclone Freddy


O número de mortos pelo ciclone tropical Freddy, que devastou Madagascar, Malawi e Moçambique nos últimos dois meses, agora é de mais de 600 pessoas, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS).

As agências de ajuda estão se esforçando para atender às crescentes necessidades humanitárias em meio a temores de aumento de casos de cólera, desnutrição e grande número de famílias deslocadas.

O diretor regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, disse que o ciclone “deixou uma terrível situação humanitária em seu rastro” e que “é necessária uma assistência humanitária maior e coordenada” para ajudar as pessoas afetadas a se recuperar e lidar com o desastre.

O ciclone brutal e duradouro destruiu casas, estradas, terras agrícolas e hospitais e “estendeu a capacidade das unidades de saúde”, ceifando 605 vidas entre as mais de 1,4 milhão de pessoas afetadas até 20 de março nos três países, disse ela.

O ciclone Freddy atingiu pela primeira vez Madagascar e Moçambique em fevereiro.

A tempestade voltou para o Oceano Índico e depois atingiu uma segunda costa em março, sendo muito mais devastadora no Malawi, onde matou cerca de 500 pessoas, e também em Moçambique, onde cerca de 900.000 pessoas foram afetadas.

Muitos correm o risco de um surto de cólera ressurgente, dizem as agências de ajuda.

Malawi e Moçambique já estavam entre os países mais afetados por um surto de cólera que resultou em mais de 68.000 casos em 12 países no sul e leste da África somente neste ano, segundo agências humanitárias.

No Malawi, a cólera já matou mais de 1.600 pessoas e juntamente com Moçambique “milhões” de crianças e suas famílias estão agora vulneráveis ​​a um “potencial aumento” de casos, disse esta semana a agência das Nações Unidas para a Infância, Unicef.

“A devastação e as inundações causadas pelo ciclone agravaram as graves vulnerabilidades das crianças e famílias nos países, ainda mais enfraquecidas por sistemas inadequados de água, higiene, saúde e saneamento”, disse o Unicef.

Em Moçambique, os casos de cólera quase quadruplicaram, para cerca de 11.000 desde fevereiro, acrescentou.

Outras necessidades humanitárias estão aumentando na região e as agências de ajuda estão se esforçando para reunir recursos para aliviar o desastre que se desenrola.

Cerca de quatro milhões de pessoas – um quinto da população do Malawi – já enfrentavam insegurança alimentar e “mais pessoas agora precisarão de assistência” depois que as enchentes destruíram cerca de 120.000 hectares de terras agrícolas, disse o Programa Alimentar Mundial (PAM).

Entre aqueles que precisam urgentemente de assistência no Malawi estão mais de 500.000 pessoas deslocadas pelas enchentes, de acordo com a Organização Internacional para Migração.

Em Moçambique, onde o ciclone destruiu extensas infraestruturas e danificou cerca de 350.000 hectares de terras agrícolas, as agências de ajuda estão lutando para chegar às comunidades desesperadas onde as estradas foram danificadas, disse o PMA.


Ciclone tropical Freddy atingiu países como Malawi (AP)

Mais de 160.000 pessoas foram deslocadas e vivem em abrigos temporários no país, segundo a agência humanitária da ONU.

Espera-se que o ciclone Freddy seja declarado o ciclone mais longo da história registrada.

É o mais recente dos desastres relacionados ao clima, como inundações, tempestades e secas debilitantes que devastaram a África subsaariana na última década – um sinal do impacto mortal das mudanças climáticas em uma região com economias fracas e infraestrutura mal equipada para lidar com tais estragos.

Os ciclones foram agravados pelas mudanças climáticas causadas pelo homem, com o aquecimento das temperaturas tornando os ciclones mais úmidos, mais intensos e mais frequentes, de acordo com especialistas.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *