A visita de Xi à Arábia Saudita sinalizará sua confiança em ser reeleito como chefe do partido | Noticias do mundo


A esperada visita do presidente chinês Xi Jinping à Arábia Saudita, rica em petróleo, pode muito bem ser uma indicação de sua confiança em sua reeleição como secretário-geral do Partido Comunista da China, o que estabelecerá seu controle ainda maior no poder e o tornará o líder eterno. O guardião foi o primeiro a relatar a provável visita de Xi à Arábia Saudita citando grandes preparativos na nação árabe, mas o governo chinês manteve silêncio sobre a viagem relatada. Quando solicitado a confirmar, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse na quinta-feira que não tinha informações a oferecer, segundo a Reuters.

A acreditar nos relatos, a Arábia Saudita planejou uma recepção de gala para o presidente chinês, que estará em sua primeira visita ao exterior desde janeiro de 2020, quando a doença do coronavírus (Covid-19) em Wuhan, na China, foi relatada pela primeira vez ao mundo. Organização da Saúde (OMS). A dependência energética da China em relação à Arábia Saudita é muito alta e os dois países vêm se aproximando ao longo dos anos, especialmente depois que o príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman acumulou poder no reino. Mas a visita também pode esclarecer a situação política doméstica da China e a confiança de Xi em seu futuro político.

A visita de Xi também pode ser uma tentativa de mostrar que ele não enfrenta nenhum desafio para sua reeleição como secretário-geral do partido e que conseguiu incluir seus partidários no Politburo. Porque é raro que os líderes façam viagens ao exterior após as reuniões de Beidaihe, uma reunião secreta anual dos principais líderes chineses realizada na cidade turística da província de Hebei, e antes do congresso do partido até e a menos que tenham um controle firme do poder dentro do Partido Comunista da China.

Enquanto os ex-presidentes chineses Hu Jintao e Wen Jiabao foram ao exterior em maio do ano do congresso do partido, eles permaneceram na China após a reunião de Beidaihe. Em 2002, o então presidente chinês e provocador da Índia Jiang Zemin foi ao exterior antes do 16º Congresso Nacional do PCC. Ele foi para Chicago, Houston e a fazenda do então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e depois retornou a Pequim para realizar o 16º Congresso do Partido. Todo o seu layout de pessoal para o 16º Congresso do Partido foi finalizado naquela época, incluindo sua própria reeleição como presidente da Comissão Militar, quando ele tinha um firme controle do poder.

Enquanto isso, vários meios de comunicação informaram que Xi pode participar da cúpula do G20 em novembro deste ano e se encontrar pessoalmente com o presidente dos EUA, Joe Biden, à margem da cúpula. Isso tem sido usado para sublinhar que “Xi está confiante de que fará uma transição suave para seu terceiro mandato como presidente chinês e chefe do Partido Comunista no congresso de duas vezes por década que acontecerá no final deste ano”. Mas há uma ressalva, que Xi, mesmo que não consiga o terceiro mandato no Congresso do Partido este ano, ainda pode ir a essas reuniões como chefe de Estado, porque a decisão sobre sua presidência será tomada pelo Partido Nacional Popular. Congresso em março de 2023 e não no Congresso do Partido de novembro de 2022.

  • SOBRE O AUTOR

    Autor de Indian Mujahideen: The Enemy Within (2011, Hachette) e Himalayan Face-off: Chinese Assertion and Indian Riposte (2014, Hachette). Recebeu o Prêmio K Subrahmanyam de Estudos Estratégicos em 2015 pelo Instituto Manohar Parrikar de Estudos e Análises de Defesa (MP-IDSA) e o Prêmio Ben Gurion de 2011 por Israel.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.