A segunda tentativa de Boris Johnson de desencadear eleições gerais falha


Boris Johnson sofreu outra derrota humilhante do Commons depois que sua segunda tentativa de uma eleição geral foi rejeitada pelos deputados.

O primeiro-ministro disse que queria ir às pesquisas no próximo mês para romper o impasse político, acusando os partidos da oposição de inventar "desculpas ultrajantes" para adiar.

Mas os parlamentares trabalhistas e outros opositores se recusaram a apoiar a oferta – que precisava de uma maioria de dois terços no Commons – enquanto o risco de um não acordo permaneceu.

Os parlamentares votaram entre 293 e 46, menos do que os 434 necessários – marcando a sexta derrota do Commons no primeiro-ministro.

Johnson disse que Jeremy Corbyn se tornou o primeiro líder da oposição na história do país a "mostrar sua confiança" no governo "ao recusar a oportunidade de ter uma eleição com vistas a remover o governo".

Mas em meio a cenas tempestuosas na câmara, Corbyn disse que não deixaria seu partido entrar em "armadilhas feitas por este primeiro-ministro".

"Este governo está interessado apenas em fechar o Parlamento para evitar qualquer escrutínio", disse o líder trabalhista.

O primeiro-ministro insistiu que não pediria outro adiamento do Brexit, apesar do consentimento real da legislação exigir um adiamento para o Brexit além de 31 de outubro, a menos que um acordo de divórcio seja aprovado ou que o Parlamento concorde em deixar a UE sem um até 19 de outubro.

Johnson disse: "É evidente pela reação turbulenta dos bancos do lado oposto que eles simplesmente querem outro atraso e eu não terei isso.

“Devo advertir os membros de que seu comportamento em frustrar a vontade do povo está minando o respeito por esta Casa no país.

"Se os membros honoráveis ​​querem um atraso, a única maneira correta de fazê-lo é pedir permissão de nossos senhores, o povo, de nossos senhores, os eleitores."

Em um dia de grande drama no Commons, no qual o presidente John Bercow anunciou sua intenção de se retirar no próximo mês, os parlamentares também exigiram que o governo publicasse comunicações relacionadas à prorrogação e ao planejamento do Brexit sem acordo.

A demanda do ex-procurador-geral Dominic Grieve por todo contato por escrito e eletrônico sobre a suspensão temporária dos documentos do Parlamento e da Operação Yellowhammer desde 23 de julho a serem liberados foi aprovada por 311 votos a 302, a maioria dos nove.

– Associação de Imprensa



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *