A Rússia ganha pontos com a diplomacia da vacina, mas surgem obstáculos


A ostentação da Rússia em agosto de que foi o primeiro país a autorizar uma vacina contra o coronavírus levou ao ceticismo na época por causa de seus testes insuficientes. Seis meses depois, conforme a demanda pela vacina Sputnik V cresce, os especialistas estão levantando questões novamente – desta vez, se Moscou pode atender a todos os pedidos dos países que a desejam.

A Eslováquia recebeu 200.000 doses em 1º de março, embora a Agência Europeia de Medicamentos, o regulador farmacêutico da União Europeia, só tenha começado a revisar seu uso na quinta-feira em um processo acelerado. O presidente da duramente atingida República Tcheca disse que escreveu diretamente ao presidente russo, Vladimir Putin, para obter um suprimento. Milhões de doses são esperadas por países da América Latina, África, ex-União Soviética e Oriente Médio em uma onda de diplomacia de vacinas russas.

“O Sputnik V continua conquistando a Europa com confiança”, declarou a âncora Olga Skabeyeva ao canal de TV estatal Russia-1.

Dmitry Kiselev, o principal âncora pró-Kremlin da rede, falou sobre a hipérbole no mês passado, gritando: “A vacina russa contra o coronavírus, Sputnik V, é a melhor do mundo”.

Os canais de TV estaduais cobriram extensivamente as exportações de vacinas, citando elogios do exterior à Rússia e exibindo segmentos sobre as dificuldades que os países estão tendo com as vacinas ocidentais.

As primeiras críticas ao Sputnik V foram atenuadas por um relatório no prestigioso jornal médico britânico The Lancet, que dizia que testes em larga escala mostraram que ele era seguro, com uma taxa de eficácia de 91% contra o vírus.

Isso poderia ajudar a renovar a imagem da Rússia para uma de potência científica, tecnológica e benevolente, especialmente porque outros países enfrentam escassez de vacinas Covid-19 porque as nações mais ricas estão pegando as versões de fabricação ocidental ou os fabricantes lutam com capacidade de produção limitada.

“O fato de a Rússia estar entre os cinco países que conseguiram desenvolver rapidamente uma vacina … permite que Moscou se apresente como uma potência de alta tecnologia do conhecimento, em vez de uma bomba de gasolina em declínio”, disse o analista de relações exteriores Vladimir Frolov.

Alguns especialistas dizem que aumentar o uso de vacinas da China e da Rússia – que não são tão populares quanto as do Ocidente – poderia oferecer uma maneira mais rápida de aumentar o fornecimento global. Outros observam que a Rússia quer marcar pontos geopolíticos.

“Putin está usando (a vacina) para reforçar uma imagem muito manchada das proezas científicas e tecnológicas da Rússia”, disse Lawrence Gostin, professor da Universidade de Georgetown e diretor do Centro de Colaboração da Organização Mundial de Saúde sobre Legislação Sanitária Nacional e Global. “Ele está usando para fins geoestratégicos em áreas onde a Rússia gostaria de ter esferas de influência.”

Se a Rússia pode cumprir, é outra questão. A China forneceu milhões de doses para outros países, mas a produção do Sputnik V parece, por enquanto, ser bem menor do que a demanda.

“Eles tiveram um sucesso além de seus sonhos em termos de esta vacina ser realmente um produto viável e comercializável”, disse Judy Twigg, professora de ciências políticas com especialização em saúde global na Virginia Commonwealth University. “Eles fizeram todas essas promessas explícitas e implícitas para pessoas dentro e fora da Rússia sobre o acesso a este produto que agora é inesperadamente ótimo. E agora eles estão tentando, lutando, tentando descobrir como cumprir todas essas promessas. ”

A Rússia também deve cuidar de si mesma. As autoridades anunciaram planos para vacinar 60% dos adultos, ou cerca de 68 milhões de pessoas, até o final de junho.

A implantação doméstica na Rússia tem sido lenta, em comparação com outras nações, com cerca de 4 milhões de pessoas, ou menos de 3% da população, vacinada no final de fevereiro. Parte disso também pode ser devido à relutância generalizada entre os russos em confiar nas vacinas.

O Fundo Russo de Investimento Direto, que financiou e comercializou a vacina no exterior, não respondeu a um pedido de comentário sobre quantas doses estão indo para outros países. Ele disse anteriormente que recebeu pedidos de 2,4 bilhões de doses de mais de 50 países.

Airfinity, uma empresa de análise científica com sede em Londres, estima que a Rússia concordou em fornecer cerca de 392 milhões de doses no exterior, e há negociações com outros países para pelo menos outros 356 milhões.

A julgar pela produção e exportação até agora, “a Rússia está muito longe de ser capaz de oferecer isso”, disse o CEO e fundador da Airfinity, Rasmus Hansen.

A Rússia fabricou pouco mais de 2 milhões de doses no ano passado em meio a relatos de produtores locais que tiveram problemas para comprar equipamentos e fazer o segundo componente da vacina dupla.

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, disse em 20 de fevereiro que mais de 10 milhões de doses do Sputnik V foram produzidas.

O Sputnik V é uma vacina de vetor viral, que usa um vírus inofensivo que carrega material genético para estimular o sistema imunológico. Produzi-lo é um processo complicado, disse Elena Subbotina, consultora da equipe de consultoria farmacêutica CBPartners da Europa Central e Oriental. Os produtores não podem garantir uma produção estável porque trabalhar com ingredientes biológicos envolve muita variabilidade em termos de qualidade do produto acabado.

Alguns países aos quais foram oferecidos grandes lotes do Sputnik V ainda não o aprovaram para uso.

Na Índia, que prometeu 125 milhões de doses, a vacina está passando por estudos para determinar se produz uma resposta imunológica comparável. O Ministério da Saúde do Brasil disse que está negociando a compra de 10 milhões de doses, mas a agência reguladora do país ainda não autorizou seu uso. O Nepal, que recebeu 25 milhões de doses, também não deu sua aprovação.

Outros países tiveram atrasos no recebimento de remessas do Sputnik V.

A Argentina recebeu quase 2,5 milhões de doses até 1º de março, embora a certa altura o governo esperasse 5 milhões em janeiro e mais de 14 milhões a mais em fevereiro. Autoridades na Hungria, que concordaram em comprar 2 milhões de doses ao longo de três meses, disseram em 22 de janeiro que esperavam 600.000 doses nos primeiros 30 dias, mas conseguiram apenas 325.600 no início de março. O México assinou um acordo para 24 milhões de doses e esperava receber 400.000 em fevereiro, mas obteve apenas 200.000.

O Fundo de Investimento Direto Russo tem acordos com fabricantes em países como Brasil, Coréia do Sul e Índia para aumentar a produção, mas há poucos indícios de que fabricantes no exterior tenham feito grandes quantidades da vacina até agora.

A empresa brasileira União Química está em fase de testes-piloto, cujos resultados serão compartilhados com a Rússia antes que a empresa possa produzi-lo para comercialização. A farmacêutica indiana Hetero Biopharma, com um acordo para fabricar 100 milhões de doses, deveria iniciar a produção no início de 2021, mas não está claro se realmente começou.

A empresa sul-coreana GL Rapha, que espera fazer 150 milhões de doses este ano, estará fabricando produtos acabados em março, disse o funcionário da empresa Kim Gi-young.

A Rússia até agora não enfrentou nenhuma crítica por atrasar o fornecimento do Sputnik V a outros países, com autoridades estrangeiras otimistas sobre os negócios.

A Hungria ainda espera grandes carregamentos, mas expressou otimismo em recebê-los.

“O lado russo, com um atraso mínimo, atenderá às 600.000 doses acordadas na primeira fase e, em seguida, aos 1,4 milhão de doses adicionais”, disse a secretária de Estado da Hungria, Tamas Menczer, no mês passado. O primeiro-ministro Viktor Orban acrescentou na sexta-feira: “Os russos estão praticamente cumprindo suas promessas”.

Prometer mais do que pode ser entregue parece ser um problema universal com as vacinas contra o coronavírus, e é um risco real para a Rússia também, disse Theresa Fallon, diretora do Centro de Estudos da Rússia Europa Ásia, com sede em Bruxelas.

“Eles ganharam a medalha de ouro por criar esta vacina muito eficaz”, disse ela. “Mas o problema é: como eles vão implementá-la?”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.