A OMS pede aos pesquisadores que usem as lições da Covid-19 para combater as superbactérias


As lições aprendidas durante a pandemia Covid-19 devem ser usadas para combater a disseminação de bactérias resistentes aos medicamentos, que matam dezenas de milhares de pessoas a cada ano, disse a Organização Mundial de Saúde na quinta-feira.

A agência de saúde da ONU alertou que o mundo está ficando sem opções para combater os chamados superbactérias, com poucos novos antibióticos eficazes em desenvolvimento.

Mas disse que a crise do coronavírus, que aprofundou dramaticamente a compreensão global das implicações econômicas e de saúde de uma pandemia descontrolada, pode estimular o progresso.

O esforço mundial para controlar a pandemia provou que um progresso rápido pode ser feito quando há vontade política suficiente, apontou a OMS.

“Os antibióticos representam o calcanhar de Aquiles para a cobertura universal de saúde e nossa segurança global de saúde”, advertiu Haileyesus Getahun, que chefia a divisão de resistência antimicrobiana da OMS.

“As oportunidades emergentes da pandemia Covid-19 devem ser aproveitadas para trazer à tona as necessidades de investimentos sustentáveis ​​em (pesquisa e desenvolvimento) de antibióticos novos e eficazes.”

Entre outras coisas, disse ele, deve haver um mecanismo global para reunir fundos para combater o flagelo da resistência antimicrobiana, na mesma linha que os mecanismos criados para financiar o desenvolvimento das vacinas Covid-19.

A resistência aos antibióticos ocorre quando os insetos se tornam imunes aos medicamentos existentes, como antibióticos, antivirais ou antifúngicos, tornando ferimentos leves e infecções comuns potencialmente fatais.

A resistência tem crescido nos últimos anos devido ao uso excessivo dessas drogas em humanos e também em animais de fazenda.

‘Insuficiente’

Descobertos na década de 1920, os antibióticos salvaram dezenas de milhões de vidas ao derrotar doenças bacterianas como pneumonia, tuberculose e meningite.

Mas, ao longo das décadas, as bactérias aprenderam a reagir, criando resistência aos mesmos medicamentos que antes as derrotavam de forma confiável – transformando-se nos chamados “superbactérias”.

Para combater a capacidade das bactérias de se tornarem resistentes a medicamentos conhecidos, é necessário um fluxo constante de novos antibióticos, mas para as empresas farmacêuticas, o desenvolvimento de novos produtos competitivos neste campo é complicado, caro e não considerado muito lucrativo.

Quase todos os novos antibióticos lançados no mercado nas últimas décadas são variações de antibióticos descobertos antes da década de 1980, apontou a OMS.

Desde 2017, a agência da ONU publica um relatório anual sobre os antibacterianos em desenvolvimento, avaliando seu potencial para conter a crise.

No relatório publicado na quinta-feira, ele concluiu que nenhum dos 43 novos antibióticos atualmente em desenvolvimento aborda suficientemente o problema de resistência aos medicamentos nas bactérias mais perigosas do mundo.

Ele também apontou que um total de 82 por cento dos antibióticos recentemente aprovados eram derivados de classes de antibióticos existentes com resistência aos medicamentos bem estabelecida, alertando que “é esperado um rápido surgimento de resistência aos medicamentos a esses novos agentes.”

O relatório destacou a necessidade urgente de desenvolver novos tratamentos antibacterianos, dizendo que aqueles atualmente em desenvolvimento são “insuficientes” para enfrentar o desafio.

“Embora existam alguns produtos inovadores em desenvolvimento, é provável que apenas uma fração deles chegue ao mercado devido às altas taxas de falha no processo de desenvolvimento de medicamentos”, alertou o relatório.

Diante de uma terrível falta de antibióticos eficazes, o relatório deste ano, pela primeira vez, também listou uma visão geral dos “medicamentos antibacterianos não tradicionais” que poderiam ajudar a preencher a lacuna.

Ele destacou 27 dessas drogas no pipeline, incluindo anticorpos monoclonais como os tratamentos que estão sendo usados ​​para Covid-19.

Outras drogas não tradicionais vistas como armas na luta contra as superbactérias são os peptídeos antimicrobianos, os intensificadores antibacterianos e os bacteriófagos – vírus minúsculos que infectam as bactérias.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.