A OMS nomeia a nova variante da Covid Omicron e a designa como ‘preocupante’


A Organização Mundial de Saúde designou a nova variante Covid-19 detectada na África do Sul com um grande número de mutações como sendo “preocupante”, a quinta variante a receber a designação.

A OMS disse em um comunicado que atribuiu à variante B.1.1.529 a letra grega Omicron.

Autoridades em todo o mundo reagiram com alarme à nova variante, com a UE e a Grã-Bretanha entre os que estão restringindo os controles de fronteira enquanto os pesquisadores buscam estabelecer se a mutação é resistente à vacina.

Horas depois que a Grã-Bretanha proibiu voos da África do Sul e países vizinhos e pediu aos viajantes que voltassem de lá para a quarentena, a OMS alertou contra a proibição de viagens apressadas.

“É realmente importante que não haja respostas automáticas aqui”, disse o diretor de emergências da OMS, Mike Ryan, elogiando as instituições de saúde pública da África do Sul por contrair a nova variante do vírus que causa o Covid-19.

“Porque vimos no passado, no minuto em que há qualquer menção a qualquer tipo de variação, todo mundo está fechando fronteiras e restringindo viagens.”

Eficácia da vacina

A OMS disse que levaria semanas para determinar a eficácia das vacinas contra a variante.

O ministro da saúde da África do Sul, Joe Phaahla, chamou as restrições de viagem de “injustificadas”, embora também tenha dito que estudos preliminares sugeriram que a nova variante pode ser mais transmissível.

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a UE também pretende interromper as viagens aéreas da região. Vários outros países, incluindo Índia, Japão e Israel endureceram os freios.

“Agora é importante que todos nós na Europa ajamos com muita rapidez, decisão e união”, disse von der Leyen. “Todas as viagens aéreas para esses países devem ser suspensas até que tenhamos um entendimento mais claro sobre o perigo representado por esta nova variante.”

Em Washington, o principal oficial de doenças infecciosas dos EUA, Anthony Fauci, disse que nenhuma decisão foi tomada sobre uma possível proibição de viagens aos EUA. Não houve indicação de que a variante estava nos Estados Unidos e não estava claro se era resistente às vacinas atuais, disse ele à CNN.

A notícia, no entanto, atingiu os estoques globais e o petróleo, que despencaram 10 por cento, com o temor de que novas restrições afetariam a indústria de viagens e as economias já instáveis ​​em todo o sul da África.

‘Variante mais significativa’

A variante tem um pico de proteína que é dramaticamente diferente daquele do coronavírus original no qual as vacinas se baseiam, disse a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, levantando temores sobre como as vacinas atuais se sairão.

“Como os cientistas descreveram, (esta é) a variante mais significativa que eles encontraram até agora”, disse o secretário de transportes britânico Grant Shapps à Sky News.

Em Genebra, a OMS – cujos especialistas discutiram na sexta-feira os riscos que a variante apresenta – alertou contra as restrições às viagens por enquanto.

Levaria várias semanas para determinar a transmissibilidade da variante e a eficácia das vacinas, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, observando que 100 sequências dela foram relatadas até agora.

O ministro da saúde britânico, Sajid Javid, disse que a sequência da variante foi enviada pela primeira vez por Hong Kong a partir de alguém que viaja da África do Sul.

“É altamente provável que agora tenha se espalhado para outros países”, disse Javid aos legisladores.

Cientistas sul-africanos suspeitam que o aumento repentino de infecções no país está relacionado à nova variante, mas não está claro até que ponto ela se espalhou além de suas fronteiras.

A Bélgica identificou o primeiro caso da Europa, somando-se aos de Botswana, Israel e Hong Kong. A Dinamarca sequenciou todos os casos de Covid-19 e não encontrou nenhum sinal da nova mutação, disseram autoridades de saúde dinamarquesas na quinta-feira.

Explicado

Explicado: tudo o que você precisa saber sobre Omicr …

Israel impôs uma proibição de viagens que cobre a maior parte da África.

“Estamos atualmente à beira de um estado de emergência”, disse o primeiro-ministro Naftali Bennett em um comunicado. “Nosso princípio básico é agir rápido, forte e agora.”

A agência reguladora de saúde brasileira, Anvisa, recomendou que viagens para alguns países africanos fossem restritas, mas o presidente Jair Bolsonaro pareceu rejeitar tais medidas.

Bolsonaro foi amplamente criticado por especialistas em saúde pública por sua gestão da pandemia, protestando contra os bloqueios e optando por não ser vacinado. O Brasil tem o segundo maior número de mortes causadas pelo vírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *