A Grã-Bretanha quer injeções extras da AstraZeneca para lutar contra a variante ‘beta’ Covid-19


A Grã-Bretanha já garantiu 100 milhões de doses da vacina, desenvolvida na Universidade de Oxford e licenciada para a AstraZeneca.

Reuters | , Londres

ATUALIZADO EM 02 DE JUNHO DE 2021 06:22 IST

A Grã-Bretanha está em negociações com Oxford e AstraZeneca para doses adicionais de sua vacina Covid-19, que foi modificada para melhor direcionar a variante do coronavírus “beta” identificada pela primeira vez na África do Sul, e vai financiar os testes das vacinas.

A Grã-Bretanha garantiu anteriormente 100 milhões de doses da vacina, desenvolvida na Universidade de Oxford e licenciada para a AstraZeneca, e o ministério da saúde disse que as doses extras em discussão seriam adaptadas para atingir a variante B.1.351.

A África do Sul suspendeu o uso da injeção da AstraZeneca em fevereiro, depois que dados mostraram que ela dava proteção mínima contra infecção leve a moderada causada pela variante dominante do país, agora conhecida como “beta” sob um novo sistema de rotulagem da Organização Mundial de Saúde.

Oxford considera a variante a principal prioridade para desenvolvedores de vacinas, e a AstraZeneca tem como alvo o desenvolvimento de novas vacinas contra variantes até o outono.

A Grã-Bretanha se comprometeu a financiar testes para a nova vacina adaptada, que poderia ser acelerada através do processo regulatório seguindo as novas orientações em março.

O ministro da saúde da Grã-Bretanha, Matt Hancock, está hospedando uma cúpula de homólogos do Grupo dos Sete (G7) em Oxford no final desta semana, e ele usará um discurso na quarta-feira para destacar o papel da Grã-Bretanha no projeto Oxford-AstraZeneca.

Hancock também destacará que a Grã-Bretanha deve atingir o marco de dar a três quartos dos adultos a primeira dose da vacina COVID-19 na quarta-feira, disse o ministério da saúde.

Perto


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.