A alimentação com isolado de proteína de soja e PUFA n-3 afeta a progressão da doença hepática policística em um modelo de rato PCK com doença renal policística autossômica

Objetivo:

Na doença policística do fígado (PCLD), vários cistos causam aumento do fígado, dano estrutural e perda de função. Verificou-se que a proteína de soja e os ácidos graxos poli-insaturados ω-3 (n-3 PUFAs) diminuem a proliferação de cistos e a inflamação na doença renal policística. Portanto, o objetivo do estudo foi investigar se a proteína de soja e a suplementação de PUFA n-3 atenuam o PCLD.

Métodos:

Ratas PCK jovens (com 28 dias de idade) foram alimentadas (n = 12 por grupo) com caseína + óleo de milho (caseína + CO), caseína + óleo de soja (caseína + SO), isolado de proteína de soja + óleo de soja (SPI + SO) , ou dieta de mistura de óleo de soja / salmão SPI + 1: 1 (SPI + SB) por 12 semanas. A histologia hepática, a expressão gênica por reação em cadeia da polimerase quantitativa em tempo real e os marcadores séricos de lesão hepática foram determinados.

Resultados:

A dieta não teve efeito na progressão do PCLD, conforme indicado por nenhuma diferença significativa no peso do fígado e na expressão do gene da proliferação hepática entre os grupos de dieta. Ratos PCK alimentados com dieta SPI + SB, no entanto, tiveram a maior (P <0,05) evidência histológica de obstrução do cisto hepático, inflamação portal, esteatose e regulação positiva (P = 0,03) de genes relacionados à fibrose. Os ratos alimentados com dieta SPI + SB também tiveram o colesterol sérico mais baixo (P <0,001) e as concentrações séricas de fosfatase alcalina e bilirrubina mais altas (P <0,05).

Conclusões:

A alimentação de ratas PCK jovens com SPI e n-3 PUFA falhou em atenuar a progressão de PCLD. Além disso, a alimentação com dieta SPI + SB resultou em complicações de esteatose hepática atribuíveis à obstrução dos cistos do ducto biliar e veia hepática. Com base nos resultados, concluiu-se que a intervenção dietética por si só não foi eficaz na atenuação da PCLD associada à doença renal policística autossômica recessiva.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *