A adaptação à luz fraca atenua a supressão aguda da melatonina em humanos


Resumo Estudos em roedores com degeneração retinal indicaram que nem o bastonete nem o cone fotorreceptores participam obrigatoriamente das respostas circadianas à luz, incluindo supressão de melatonina e resposta fotoperiódica. No entanto, há uma resposta residual de mudança de fase em camundongos knockout para melanopsina, o que sugere um meio alternativo ou redundante para a entrada de luz no SCN do hipotálamo. As descobertas de Aggelopoulos e Meissl sugerem uma relação complexa e dinâmica entre os fotorreceptores visuais clássicos e a sensibilidade das células SCN aos estímulos de luz, em relação a várias condições de iluminação adaptativas. Esses estudos levantaram a possibilidade de que a fisiologia fototransdutiva do trato retino-hipotalâmico em humanos possa ser modulada pelos fotorreceptores visuais e cones. O objetivo do estudo de duas partes a seguir foi testar a hipótese de que a adaptação à luz fraca amortecerá a supressão subsequente da melatonina pela luz monocromática em sujeitos humanos saudáveis. Cada experimento incluiu 5 mulheres e 3 homens humanos com idades entre 18 e 30 anos, com visão de cores normal. As exposições de adaptação à luz branca fraca e escuridão ocorreram entre meia-noite e 0200 h, e uma exposição à luz de campo total de 460 nm subsequentemente ocorreu entre 0200 e 0330 h para cada condição de adaptação, em 2 intensidades diferentes. Amostras de plasma foram coletadas após a adaptação de 2 h, bem como após a exposição à luz monocromática de 460 nm, e a melatonina foi medida por radioimunoensaio. A comparação das respostas de supressão da melatonina à luz monocromática em ambos os estudos revelou uma perda de supressão significativa após a adaptação à luz branca fraca em comparação com a adaptação ao escuro (p <0,04 ep <0,01). Essas descobertas indicam que a atividade do novo sistema fotorreceptivo circadiano em humanos está sujeita à modulação subliminar de sua sensibilidade à subsequente exposição à luz monocromática, variando com as condições de adaptação à luz antes da exposição.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *