5 mitos sobre a artrite reumatóide que você deve ignorar

Ter artrite reumatóide já é bastante desafiador, sem falar nas informações erradas que são lançadas contra você. Como não importa há quanto tempo você esteja vivendo com esta doença auto-imune, sempre há novas informações – ou informações erradas – que você encontra on-line ou de fontes não confiáveis.

Estamos aqui para dissipar essas fabricações de uma vez por todas. Aqui estão cinco mitos sobre RA que você realmente deve ignorar.

1. Ter RA é apenas um sinal de que você está envelhecendo.

Se isso fosse verdade, quase todos os baby boomers nos Estados Unidos teriam AR. Seriam mais de 76 milhões de pessoas! Embora 1,5 milhão de pessoas não seja nada para se esquivar, é muito menos do que qualquer adulto mais velho.

Qualquer pessoa pode obter AR, incluindo crianças, adolescentes e jovens adultos. No entanto, as mulheres têm duas a três vezes mais chances de serem diagnosticadas do que os homens. Não existe uma causa ou gatilho para a AR, mas os pesquisadores pensam que isso tem algo a ver com uma resposta anormal do sistema imunológico.

2. Você deve se concentrar em exercícios leves e cardio.

O exercício é uma parte importante do seu tratamento com AR. Mas enquanto muitos médicos podem pedir que você se concentre em exercícios de baixo impacto, você também pode fazer outros exercícios mais intensos. Pesquisas sugerem que a incorporação de exercícios de alta intensidade pode ser útil. Um estudo descobriu que um programa de exercícios intensivos de curto prazo era realmente mais eficaz na construção muscular do que um programa mais conservador. Claro, é aconselhável discutir esses exercícios com seu médico. Não se esforce demais e sempre ouça seu corpo.

3. RA afeta apenas suas articulações.

Mais frequentemente, os primeiros sintomas da AR são dor e inchaço nas articulações. Mas uma vez que sua condição progrida, a AR pode afetar outras partes do seu corpo. A inflamação pode se espalhar para os pulmões, coração, olhos e vasos sanguíneos. Muitas pessoas com AR também desenvolvem anemia, uma condição marcada por uma diminuição na produção de glóbulos vermelhos. Além do impacto físico, a AR também afeta as pessoas emocionalmente. Depressão, baixa auto-estima e sentimentos de fraqueza e desamparo são efeitos colaterais comuns. A fadiga também é bastante comum, principalmente porque a dor associada à AR pode dificultar o adormecimento ou o adormecimento.

4. Pare de comer e seus sintomas desaparecerão.

Comer é uma maneira de nutrir o corpo, fornecendo energia e combustível. No mundo atual de consciência do peso, há uma abundância de informações sobre os benefícios do jejum. No entanto, não há provas concretas de que o jejum cure a AR. Alguns alimentos podem agravar seus sintomas ou desencadear um surto, especialmente alimentos inflamatórios como frituras e gordurosos, açúcares processados ​​e carboidratos refinados. Uma dieta de eliminação pode ajudar a diminuir os possíveis gatilhos. Mas nunca é uma boa idéia cortar algo completamente sem antes conversar com seu médico. E jejuar por longos períodos de tempo pode ser perigoso e levar à desidratação e à deficiência nutricional.

5. Não há nada que você possa fazer depois de ter AR.

Este é provavelmente o maior mito de todos! Embora viver com uma doença auto-imune imprevisível como a AR não seja fácil, ele não precisa impedi-lo. Tratamentos avançados, terapias e modificações no estilo de vida podem fazer a diferença na sua jornada de AR. A terapia direcionada com produtos biológicos modificadores da doença, por exemplo, pode ajudar a retardar a progressão da doença. A terapia física e ocupacional pode ajudar a reduzir sua dor e inchaço.

Converse com seu médico sobre opções de tratamento específicas e fale se acha que seu tratamento atual não está mais funcionando. Você também pode perguntar sobre dispositivos que tornarão suas tarefas diárias um pouco mais simples. A instalação de barras de apoio no chuveiro ou na banheira pode facilitar o banho, enquanto um abridor de latas automático pode facilitar a abertura de uma lata de sopa. Desde seus medicamentos até suas escolhas de estilo de vida, há coisas que você pode fazer agora para se sentir melhor – e viver melhor – com sua AR.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *