2021 foi o ‘sexto ano mais quente já registrado’


A Terra ferveu para o sexto ano mais quente já registrado em 2021, de acordo com várias medições de temperatura recém-divulgadas.

Os cientistas disseram que o ano excepcionalmente quente faz parte de uma tendência de aquecimento de longo prazo que mostra sinais de aceleração.

Duas agências científicas dos EUA – a Nasa e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) – e um grupo de medição privado divulgaram seus cálculos para a temperatura global do ano passado na quinta-feira, e todos disseram que não estava muito atrás de 2016 e 2020.

Seis cálculos diferentes descobriram que 2021 estava entre o quinto e o sétimo ano mais quente desde o final dos anos 1800.

A Nasa disse que 2021 empatou com 2018 como o sexto mais quente, enquanto a NOAA coloca o ano passado em sexto lugar sozinho, à frente de 2018.

Os cientistas dizem que um La Nina – resfriamento natural de partes do Pacífico central que muda os padrões climáticos globalmente e traz a água fria do oceano profundo para a superfície – amorteceu as temperaturas globais assim como seu outro lado, o El Niño, as impulsionou em 2016.

Ainda assim, eles disseram que 2021 foi o ano de La Nina mais quente já registrado e que o ano não representou um resfriamento das mudanças climáticas causadas pelo homem, mas forneceu mais do mesmo calor.

“Portanto, não é tão dominante nas manchetes quanto ser o mais quente já registrado, mas espere mais alguns anos e veremos outro desses”, disse o cientista climático Zeke Hausfather, do grupo de monitoramento da Terra de Berkeley que também classificou 2021 o sexto mais quente.

“É a tendência de longo prazo, e é uma marcha indomável para cima.”

Gavin Schmidt, cientista climático que lidera a equipe de temperatura da Nasa, disse que “a tendência de longo prazo é muito, muito clara. E é por nossa causa. E não vai desaparecer até pararmos de aumentar a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera”.

Os últimos oito anos foram os oito mais quentes já registrados, concordam os dados da Nasa e da NOAA.

As temperaturas globais, calculadas em média ao longo de um período de 10 anos para eliminar a variabilidade natural, são quase dois graus (1,1°C) mais quentes do que há 140 anos, mostram seus dados.

As outras medições de 2021 vieram da Agência Meteorológica Japonesa e medições de satélite do Copernicus Climate Change Service na Europa e da Universidade do Alabama em Huntsville.

Houve um salto tão distinto nas temperaturas cerca de oito a 10 anos atrás que os cientistas começaram a analisar se o aumento das temperaturas está acelerando.

Tanto Schmidt quanto Hausfather disseram que os primeiros sinais apontam para isso, mas é difícil saber com certeza.

“Acho que você pode ver a aceleração, mas se é estatisticamente robusta não está muito claro”, disse Schmidt em entrevista.

“Se você olhar apenas para os últimos 10 anos, quantos deles estão muito acima da linha de tendência dos 10 anos anteriores? Quase todos eles.”

A temperatura média global no ano passado foi de 58,5 graus (14,7°C), de acordo com a NOAA.

Em 1988, o então cientista-chefe do clima da Nasa, James Hansen, ganhou as manchetes quando testemunhou ao Congresso sobre o aquecimento global em um ano que foi o mais quente já registrado na época.

Agora, os 57,7 graus (14,3 C) de 1988 são o 28º ano mais quente já registrado.

No ano passado, 1,8 bilhão de pessoas em 25 países asiáticos, africanos e do Oriente Médio tiveram seus anos mais quentes já registrados, incluindo China, Nigéria, Bangladesh, Irã, Mianmar e Coreia do Sul, segundo o Berkeley Earth.

O oceano profundo, onde a maior parte do calor é armazenado nos mares, também estabeleceu um recorde de calor em 2021, de acordo com um novo estudo separado.

“O aquecimento dos oceanos, além de causar o branqueamento de corais e ameaçar a vida marinha e as populações de peixes dos quais dependemos para cerca de 25% de nossa ingestão de proteínas globalmente, está desestabilizando as plataformas de gelo da Antártida e ameaçando o aumento maciço do nível do mar se não agirmos”, disse. co-autor do estudo Michael Mann, um cientista climático da Universidade Estadual da Pensilvânia.

A última vez que a Terra teve um ano mais frio que o normal pelos cálculos da NOAA ou da Nasa foi em 1976.

Isso significa que 69% das pessoas no planeta – mais de cinco bilhões de pessoas com menos de 45 anos – nunca passaram por um ano assim, com base em dados das Nações Unidas.

A climatologista do estado da Carolina do Norte Kathie Dello, 39, que não fez parte dos novos relatórios, mas disse que eles fazem sentido, disse: “Eu só vivi em um mundo em aquecimento e gostaria que as gerações mais jovens não tivessem que dizer o mesmo. Não precisava ser assim.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.